Descubra quais são as melhores fontes de ômega 3

Não recomendo peixe de rio por duas razões. Primeiro, no Brasil, a água dos rios não é fria e nem tão profunda. Por essa razão, não tem o fitoplâncton e, portanto, os peixes também não consomem esse nutriente. Além disso, infelizmente, a maioria dos rios brasileiros está contaminada. Até mesmo lá na Amazônia. Porque você tem os garimpos que trabalham com mercúrio, metal que contamina os lençois freáticos e contamina os rios. Então o rio está contaminado com o mercúrio. Assim, o problema que o mercúrio causa, é maior que os benefícios do peixe.

As melhores fontes de ômega 3 estão no mar

Assim, as melhores fontes de ômega 3 não podem ser os peixes de rio. Precisam ser os peixes de mar. Mar de qualquer mar? Também não. Precisa ser peixe de água profunda e fria.

O mackerel é uma das melhores fontes de ômega 3. E o salmão é também outra opção. Porém, o mais interessante entre eles é a sardinha. Por que a sardinha? Porque a sardinha é pequena e vive pouco. Quanto mais o peixe vive, mais chance ele tem de ficar contaminado.

Veja também: os benefícios do ômega 3 e da sardinha

Os peixes comem peixes. O maior come o menor. Se o menor estiver contaminado, o grande fica contaminado e acumula essas contaminações. Isso é chamado de biomagnificação. Então, por exemplo, atum não é um peixe tão legal hoje em dia. Apesar de ter ômega 3, está muito contaminado por ser um peixe grande, que vive muitos anos e se alimenta de peixes pequenos. Atum vai acumulando toda contaminação e esse processo complicado se chama bioacumulação.

Então, as melhores fontes de ômega 3 precisam ser peixes de água fria e profunda: sardinha, salmão e mackerel.

as melhores fontes de ômega 3 sardinha A sardinha é uma das melhores fontes de ômega 3!

Já ouviu falar do Óleo de Krill?

Agora, tem uma outra fonte boa de ômega 3. O óleo de Krill. O ômega 3 é, em geral, extraído de peixes e de animais (foca, por exemplo), que vivem em situações de água fria e profunda. Existe a maior biomassa do mundo, chamado Krill. São pequenos camarões e, atualmente, tem uma tendência no mundo a você abandonar o óleo de peixe e passar a usar o óleo de Krill. Essa tendência já é muito conhecida nos Estados Unidos.

O Krill é um camarão vermelho por conter astaxantina. É como se fosse flamingo. Se você pegar um filho de flamingo, ele é branco. Porém, se você pegar um flamingo já crescido, tem aquela cor avermelhada. Então, a mesma coisa acontece com o Krill. Ele é branco no começo e ao longo do tempo pega a cor vermelha. E como é a maior biomassa do mundo, não tem perigo de acabar. O estoque é absurdo.

Por essas razões, estão decidindo usar o Krill Oil porque tem uma eficiência maior. Por que ele tem eficácia maior? Porque ele vem com a astaxantina, que é aquela mesma do salmão, componente que não deixa o ômega 3 oxidar. Então, quando você põe uma cápsula de óleo de Krill e conseguir observar a cor vermelha, o ômega 3 ainda está bom para consumo. Quando sumir a cor, significa que você deve jogar fora.

Quer receber conteúdos exclusivos e gratuitos?
Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural
Receba Já

*Não vamos distribuir seu e-mail

Insira seu e-mail e receba nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural: