Buscar

QUER TER ACESSO GRATUITO E VITALÍCIO À BIBLIOTECA DA SAÚDE NATURAL?

* Não vamos distribuir seu e-mail

Churrasco sem culpa: consumo de carne pode controlar a hipertensão

Dr. Wilson Rondó

Especialista: Dr. Wilson Rondó

Médico Cirurgião Vascular e Nutrólogo

CRM: CRM 47078/SP

29 janeiro 2020

Dr. Wilson Rondó é médico formado em cirurgia vascular e especialista em nutrologia. Em seus 33 anos de profissão, já atendeu 20 mil pessoas. Percorreu diversos países pioneiros na visão integrativa do paciente, como França, Alemanha e Estados Unidos, em busca de respostas para o diabetes e a obesidade.

É surpreendente a frequência de pacientes que recebo pela primeira vez que tomam um medicamento que não precisam e, pior, há situações que fazem uso de remédios perigosos para doenças que não têm!

Você já deve ter se deparado com a pesquisa do Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ) divulgado no fim de 2018.

O estudo aponta que, no Brasil, 79 por cento das pessoas com mais de 16 anos admitem tomar remédio sem prescrição médica.

O imediatismo e o maior acesso à internet são os principais motivos para essa alta porcentagem de automedicação.

Há situações mais sérias ainda que é quando se toma um remédio perigoso para uma doença que não se tem e uma das situações de automedicação me preocupa particularmente: aqueles que tomam remédios para “controlar” a pressão arterial.

Isso porque 20 por cento dos diagnósticos de hipertensão não são reais. Mais de 50 por cento das pessoas acima de 50 anos de idade são diagnosticadas com pressão alta e essa porcentagem tende a aumentar com a idade.

Em um estudo realizado no Centro Hospitalar da Universidade de Montreal, observou-se que mais da metade dos médicos de família ainda está usando braçadeiras manuais obsoletas para medir a pressão arterial.

É isso que muitas vezes leva a erros de diagnóstico, que hoje já afetam dois em cada 10 pacientes.

O problema é que no Brasil e no mundo, a maneira majoritária de tratar uma doença é o remédio. Então este erro em diagnóstico é uma ponte direta que fazem com que as pessoas tomem medicamentos para uma doença que não têm.

Baixar a Pressão bebendo chá?

chá para pressão alta

Se você sofre com pressão alta, é importante que saiba: os remédios populares NÃO te livram do risco de um infarto ou AVC.

Porém, há uma forma natural, segura e eficaz para estabilizar a pressão em 12/8 somente com plantas medicinais.

Saiba como preparar ESTE chá para baixar sua pressão.

Os efeitos colaterais dos remédios para pressão alta

Normalmente, para a pressão, são prescritos quatro tipos diferentes de medicamentos.

Veja a seguir o que eles podem causar a quem realmente tem hipertensão – e imagine o estrago para aqueles que tiveram um diagnóstico equivocado.

Diuréticos

Eles removem a água da corrente sanguínea, concomitante a eletrólitos essenciais. Podem causar fraqueza, tonturas, cãibras musculares, impotência, artrite gotosa, diarreia, dor nas articulações e muito mais.

Bloqueadores dos canais de cálcio

Promovem o relaxamento arterial, reduzindo a pressão e melhorando a circulação. Ao mesmo tempo, diminuem a frequência cardíaca.

O uso de bloqueadores dos canais de cálcio, segundo os estudos, promove um aumento de 60 por cento do risco de ataque cardíaco em comparação com pessoas que usaram outros remédios para pressão arterial.

Outros efeitos colaterais incluem dor de cabeça, rubor, constipação, náusea, colesterol alto, edema e pressão arterial baixa.

Os inibidores de canal de cálcio

Supostamente fazem com que a pressão sanguínea caia e a quantidade de sangue bombeada pelo coração aumente.

Essas drogas estão ligadas a reações graves, incluindo fibrilação atrial, insuficiência renal e morte.

Betabloqueadores

Ligam-se a receptores no coração e vasos sanguíneos, bloqueando sua resposta à norepinefrina.

Com isso, reduzem a pressão sanguínea ao diminuir a velocidade do coração e ao relaxar os vasos sanguíneos. Mas os efeitos colaterais incluem fadiga, tontura, insônia, náusea, depressão e perda da libido.

Pior ainda, eles podem aumentar os níveis de triglicérides, diminuir o colesterol HDL e causar palpitações cardíacas.

Churrasco sem culpa: encontre a pressão ideal na sua refeição preferida

No caso de você suspeitar de ter sido diagnosticado erroneamente com hipertensão, converse com seu médico e acompanhe sua pressão arterial em casa.

É importante ter o diagnóstico correto.

Mais do que isso, estou aqui para te trazer soluções e não problemas, apresentando uma alternativa natural e saborosa: churrasco.

Churrasco sem culpa: peças de carne com alecrim, pimenta e cogumelo no fogo

Você sabia que consumir carne pode ajudar a controlar a hipertensão

Dieta rica em proteína controla a hipertensão

Uma dieta alta em proteína diminui o risco de desenvolver hipertensão arterial.

Essa notícia vem de um estudo da American Journal of Hypertension, e é capaz até de causar hipertensão lá na American Heart Association (Associação Americana do Coração).

Afinal de contas, a proteína, a carne vermelha e as gorduras saturadas são três dos sacos de pancada favoritos da Associação.

Talvez um dia eles acordem para a realidade. Mas até lá…

Esses pesquisadores avaliaram 11 anos de consumo de proteína, relatado pelos voluntários no Estudo Framingham. Quando esses dados foram comparados  com as informações sobre a pressão sanguínea, a maior média de consumo de proteína estava ligada a um risco 40 por cento menos de evoluir para a hipertensão.

Qualquer um que talvez tenha se chocado ao saber disso, provavelmente ficará feliz em saber que os resultados foram melhores ainda quando o consumo de fibras também foi alto.

Em outras palavras, não se esqueça de oferecer uma salada e um acompanhamento de brócolis no seu churrasco!

O mais interessante é que o risco para hipertensão estava reduzido em pessoas de peso normal e para aquelas que estavam com sobrepeso. No estudo não se especificou quanto aos tipos de proteínas consumidos.

O passo a passo para um churrasco mais saudável (e saboroso, claro)

4 truques infalíveis para marinar a carne

Quando você prepara carne em altas temperaturas (torrada e escura), pode haver formação de químicos lesivos, por exemplo, as substâncias chamadas aminas heterocíclicas (HCAs) que estão relacionadas ao câncer.

Também é preciso saber que é prejudicial à saúde quando a gordura pinga no carvão e a fumaça preta envolve a carne.

Portanto, as dicas são:

  • Marinar o bife em cerveja por quatro horas, o que reduz as aminas heterocíclicas. Quanto mais escura a cerveja, melhor, pois a alta concentração de antioxidantes pode reduzir esses compostos indesejáveis em 68%. O uso de cerveja clara pilsner promove uma redução de quase 37%. Outra opção é…
  • Marinar o bife em vinho durante 6 horas: promoverá uma redução de até 90% de aminas heterocíclicas.
  • Evite compostos prontos para marinar a carne, pois estes contêm MSG, xarope de milho e outros aditivos. Recomendo que prepare algo caseiro.
  • Além destes, você ainda pode marinar usando uma combinação de: suco de limão, pimenta preta, vinagre de maçã, orégano, alho, cebola e até gengibre.

Como escolher a melhor carne?

Além dessa preocupação com a carne bem passada, use também carne de gado criado a pasto que tem mais vitaminas, minerais e ômega 3.

Carne desse tipo apresenta cerca de 500% mais CLA (ácido linoleico conjugado) que é um eficiente protetor de câncer e reduz a sensibilidade à insulina, ajudando a emagrecer.

A solução para derreter sua gordura e outras 97 curas naturais

Receba GRATUITAMENTE o livro que vem mudando tudo o que se sabe a respeito das curas naturais.

Basta passar um endereço válido no país para ter na estante da sua casa soluções eficazes e livres de efeitos colaterais para perda de peso, hipertensão, diabetes, artrite e dezenas de outros problemas de saúde.

Reserve aqui seu exemplar gratuito.

Dr. Wilson Rondó

Especialista: Dr. Wilson Rondó

Médico Cirurgião Vascular e Nutrólogo

CRM: CRM 47078/SP

29 janeiro 2020

Dr. Wilson Rondó é médico formado em cirurgia vascular e especialista em nutrologia. Em seus 33 anos de profissão, já atendeu 20 mil pessoas. Percorreu diversos países pioneiros na visão integrativa do paciente, como França, Alemanha e Estados Unidos, em busca de respostas para o diabetes e a obesidade.