Sua Saúde

Dá para abandonar o Omeprazol? Sim, com certeza

Olá, leitor. Como vai sua saúde?

Na semana passada, recebemos a notícia que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) havia suspendido o Omeprazol. Sim, aquele famoso remedinho, com ares mágicos, que alivia o desconforto estomacal.

Quando cliquei em manchetes como “Anvisa suspende lote de Omeprazol” e “Anvisa determina recolhimento de lote de Omeprazol”, tinha a expectativa de que, finalmente, o órgão teria acordado e limitado de vez a venda do medicamento.

Não. Na verdade, a Anvisa apenas desautorizou a venda de determinado lote do produto porque ele apresentava problemas no rótulo.

Mas, por que limitar a venda do Omeprazol e dos demais inibidores de bomba de prótons?

Ora, bastante simples: porque eles mais fazem mal do que bem para a saúde de seus (fiéis) usuários.

Calma. Eu explico.

Ou melhor, a nossa especialista vai esclarecer.

(Caso você não possa assistir ao vídeo agora, eu vou resumir para você)

Comer é investir na saúde

Problemas gástricos, como azia, refluxo, hérnia de hiato e gastrite, são bastante comuns, principalmente nas últimas décadas, período histórico em que a sociedade passou por diversas mudanças comportamentais.

De acordo com a consultora da Jolivi, a nutricionista Drª Denise Carreiro – autora de mais de 11 livros na área – os grandes vilões da digestão plena e satisfatória são os maus hábitos alimentares.

Não pense que a profissional está se referindo apenas ao refrigerante que você toma, ao açúcar que adoça seus cafés, ao hambúrguer que você comeu no almoço ou às bolachas recheadas que você guarda na gaveta do escritório.

O hábito alimentar abrange sim os exemplos acima citados, mas também é composto por outros fatores comportamentais, como:

  • O consumo de ultraprocessados e lanches;
  • A ingesta de líquidos juntamente com a refeição;
  • Fazer as refeições de forma apressada, sem mastigar corretamente;
  • Estar estressado durante a refeição;
  • Comer em pé.

Como você pode perceber, leitor, tudo o que está relacionado direta e indiretamente com a sua refeição interfere no processo digestório.

Os males que não te contam

Para que todo o seu organismo funcione é preciso que a digestão ocorra de forma satisfatória, pois vai funcionar de base.

Tudo o que você consome já começa a ser digerido durante a mastigação e a ação da saliva. Já chegado ao estômago, os alimentos ficam por uma hora sofrendo ações do ácido clorídrico (suco digestivo), que ioniza vitaminas e minerais para serem absorvidos, mata fungos e bactérias, para que eles não alterem a microbiota intestinal, e digere proteínas.

“A presença do ácido clorídrico no estômago permite que os alimentos cheguem, sejam quebrados e vão embora, continuando o processo. Se não, eles param e fermentam, podendo voltar para o esôfago causando os sintomas”, afirma a nutricionista.

E quando os desconfortos aparecem, os Omeprazóis da vida entram em cena.

Esses medicamentos reduzem a produção natural do suco gástrico, reduzindo a acidez do estômago e melhorando os sintomas

O uso crônico da medicação, entretanto, além de não tratar a real causa do problema digestivo, pode causar reações adversas como a diminuição acentuada da absorção de minerais e vitaminas, a inibição da absorção de vitamina B12, o desequilíbrio da microbiota gastrointestinal, a má-digestão proteica, gerando processos inflamatórios e, a partir do conjunto desses desequilíbrios, desencadear inúmeros processos inflamatórios no organismo, incluindo problemas neurológicos, distúrbios cognitivos e neurodegenerativos, como o Alzheimer.

Ou seja, os sintomas continuam e, de quebra, você ainda acaba adquirindo mais problemas de saúde.

Solução natural

De acordo com a nossa consultora Drª Denise Carreiro, os inibidores de bombas de prótons têm um substituto fácil, caseiro e totalmente natural.

A já assinante do Remédio Natural, um dos produtos editoriais da Jolivi, M. B. V. de Oliveira, testou este ingrediente, aprovou e contou para a nossa equipe, via e-mail.

“Tenho seguido algumas das recomendações de vocês e, por exemplo, deixei de consumir pantoprazol (que havia baixado sensivelmente meu nível de B12), substituindo-o, com sucesso…”

Quer descobrir pelo o quê a nossa assinante substituiu o pantoprazol?

Conheça mais sobre Remédio Natural e faça parte do time de assinantes que aprendem, a cada edição, a transformar o alimento em terapia.

QUERO ASSINAR O REMÉDIO NATURAL

O que você vai encontrar ao assinar?

Videoaulas: em todas as edições, a Drª Denise Carreiro prepara uma palestra virtual didática e bastante informativa sobre problemas nutricionais e suas soluções;

Relatórios: para complementar, ilustrar e elucidar a aula da nossa consultora, logo após ao vídeo, você encontra um relatório preparado exclusivamente para o assunto da edição, com ilustrações, tabelas e informações exclusivas.

– Receitas: para que os ensinamentos de nossa nutricionista sejam colocados em prática, a culinarista e consultora Juliana Carreiro te ensina receitas fáceis e gostosas, que não vão colocar a sua saúde em risco. Pelo contrário.

Caso seja de seu interesse, assine o Remédio Natural e tenha acesso a todas as edições já publicadas.

Entre os assuntos tratados, você vai encontrar:

  • Alimentação segura;
  • As consequências do alto consumo de glúten;
  • A verdade da soja;
  • O que é, de fato, a dieta detox;
  • O mito do leite de vaca;
  • Aprendendo a dizer “sim” aos alimentos certos;
  • Alergias e intolerâncias alimentares;
  • O poder dos temperos naturais;
  • A influência do intestino nas funções mentais;
  • As formas naturais de tratar e lidar com os problemas gástricos;
  • Como regular a tireoide pela alimentação;
  • Receitas saudáveis e práticas.

QUERO ASSINAR O REMÉDIO NATURAL

Se você achar que ainda não é a hora de fazer a sua assinatura, sem problemas. Continue a acompanhar nossos conteúdos gratuitos e a nos seguir nas redes sociais.

Até mais,