Buscar

ESTÁ EM QUARENTENA? A JOLIVI LIBEROU ACESSO GRATUITO À BIBLIOTECA DA SAÚDE NATURAL

Óleos Essenciais: o que são, para que servem, benefícios e como usar

oleos essenciais
Maior Menor
Doutor Victor Sorrentino

Especialista: Doutor Victor Sorrentino

Médico e Autor do livro "Segredos Para Uma Vida Longa"

8 maio 2020

Médico e Autor do livro "Segredos Para Uma Vida Longa"

Você já ouviu falar sobre os óleos essenciais?

Talvez você tenha começado a ouvir sobre as possibilidades terapêuticas dos óleos essenciais recentemente, mas saiba que eles já eram muito utilizados pelos nossos ancestrais em cerimônias religiosas, sessões de aromaterapia, tratamentos médicos e até como cosméticos.

Segundo um estudo publicado no Asian Pacific Journal of Tropical Biomedicine, civilizações antigas do Egito, China e Índia usavam os óleos essenciais terapeuticamente por pelo menos seis mil anos.

Mas é na virada do século XIX para XX que eles começaram a ganhar autoridade, graças ao avanço da química e da descoberta de novos métodos de extração dos componentes aromáticos das plantas.

O que são os óleos essenciais?

Basicamente, o óleo essencial é um extrato concentrado de ervas ou flores. O que ele faz, como o próprio nome sugere, é capturar os componentes aromáticos voláteis das plantas e é por isso que alguns possuem um perfume tão intenso.

O que é um componente aromático volátil?

São pequenas moléculas orgânicas que, estando no estado líquido ou sólido, rapidamente evaporam quando submetidas à temperatura ambiente. É por isso que, ao abrir um frasco de óleo essencial, você já sente o seu perfume, mesmo que à distância.

Cada componente aromático de uma planta tem uma formulação química diferente. Por isso, existem os óleos calmantes, os estimulantes, os regenerativos…

Você trocaria esse remédio cheio de efeitos colaterais por ISTO? SIIIM!!!

Ervas medicinais

Para cada droga química que enche seu corpo de efeitos colaterais acumulativos, existe uma erva tão eficiente quanto – e que não coloca seu corpo em risco. Veja as provas aqui.

Por que usar óleos essenciais? Para que servem?

Estes são alguns exemplos das propriedades químicas de alguns tipos de óleos essenciais e seus efeitos para a saúde:

  • Restauradores

Óleos para suporte físico e emocional, que ajudam a recuperar, fortalecer e até rejuvenescer o organismo.

  • Revigorantes

Óleos cujo objetivo é trazer alegria e inspiração para o dia. Encorajam emoções leves, contentes e cheias de vida.

  • Energizantes

Óleos com propriedades que inspiram motivação, determinação e energia. Eles costumam ter um aroma mais potente, justamente para “acordar” o sistema.

  • Calmantes

Óleos que promovem relaxamento físico e emocional, utilizados para meditação, alívio do estresse, prevenção da insônia e outros rituais.

  • Clareadores e antimicrobianos

Óleos que podem ser amplamente utilizados para fins estéticos, uma vez que estimulam a regeneração da pele e combatem microorganismos nocivos.

Como os óleos essenciais atuam no nosso corpo?

Quando você inala profundamente o óleo essencial, os componentes aromáticos são processados pelo sistema olfativo no cérebro, através dos nervos olfatórios.

Estes nervos, por sua vez, estão conectados ao nosso sistema límbico, parte do cérebro que cuida das nossas emoções, comportamentos e memórias de longo prazo.

É por isso que quando sentimos um determinado cheiro, como alguma comida que nossa avó fazia ou perfume de alguém, imediatamente recordamos algum fato.

E a resposta do sistema límbico ao aroma dos óleos essenciais costuma ser revigorante, como quando precisamos de uma dose extra de energia, ou apenas calmante e relaxante, ideal para frear uma reação de ansiedade, por exemplo.

Os benefícios comprovados dos óleos essenciais

Relaxamento e sono tranquilo

A lavanda, por exemplo, é campeã no quesito relaxamento.

Um estudo publicado no Natural Medicine Journal afirmou que o aroma da lavanda realmente afeta o sistema límbico. Lá, ele tem uma espécie de efeito calmante, diminuindo sintomas de ansiedade e agitação. E o mais interessante é que esses efeitos são praticamente imediatos.

Um outro estudo concluiu que a inalação do óleo essencial de lavanda por três minutos já é sufi ciente para nos deixar mais relaxados, de bom-humor e com menos sintomas de ansiedade.

um homem sofrendo de insônia

Melhore as suas noites de sono com a lavanda!

Alivia os sintomas de dor de cabeça e enxaqueca

Nos anos 90, dois pequenos estudos (um publicado no periódico Phytomedicine e, outro, no Cephalalgia) descobriram que aplicar uma mistura de óleo de hortelã-pimenta na testa e nas têmporas dos participantes aliviou sintomas de dor de cabeça.

Uma reação semelhante foi observada em outro estudo, de 2014. Pesquisadores concluíram que uma mistura de óleo essencial de camomila e gergelim, quando aplicada nas têmporas, pode ajudar a reduzir a inflamação e, consequentemente, aliviar dores de cabeça e enxaquecas.

Segundo os autores, a mistura de camomila e gergelim é inspirada em uma receita tradicional persa para o combate das dores de cabeça.

Anti-inflamatório aromático

E se um óleo essencial pudesse substituir aquele comprimido de diclofenaco que você toma sempre que sente a dor apertar? Bem, este é o caso do óleo essencial de cominho verde.

Um estudo da Universidade de Lanzhou, na China, demonstrou que o óleo em questão inibiu marcadores inflamatórios em ratos com hipertensão.

Por ser um óleo essencial com potencial tóxico muito baixo, os pesquisadores acreditam que o ingrediente pode ser acrescentado às receitas do dia a dia normalmente, como uma saída para prevenir e até mesmo tratar doenças crônicas engatilhadas pela inflamação.

Barreira contra microorganismos

Outro óleo que tem chamado muito a atenção das pessoas, especialmente as mulheres, é o de melaleuca – ou tea tree.

Por contar com efeitos antimicrobianos, ele é uma boa opção para tratar algumas infecções, como a acne (espinhas).

Aprimora a função cognitiva

Um estudo publicado no Psychogeriatrics avaliou justamente os benefícios de quatro óleos essenciais diferentes para pacientes com doença de Alzheimer: alecrim, limão, laranja e lavanda, em períodos diferentes do dia.

Pela manhã, os pacientes inalavam uma combinação de óleos de alecrim e limão; já ao entardecer, faziam a inalação dos óleos de lavanda e laranja.

Ao fim do experimento, os pesquisadores submeteram os pacientes a testes cognitivos e descobriram que os óleos essenciais, de maneira geral, beneficiaram muito a função cognitiva daqueles diagnosticados com doença de Alzheimer.

Sua memória 40 anos mais jovem

Preste muita atenção na imagem acima.

Ela esconde o segredo de como é possível ter um cérebro de 32 anos, mesmo aos 78.

Para que você comece a ter uma mente mais afiada e ágil, mais foco e clareza durante todo o seu dia e ainda uma memória que nunca falha.

Tudo de forma totalmente natural e usando poucos segundos por dia. Para saber mais, basta clicar aqui.

Regula o período menstrual e alivia a TPM

O óleo essencial de sálvia esclareia é classificado como o “óleo da mulher”, por ser benéfico no tratamento de problemas associados ao útero da mulher, além de ajudar a regular o período menstrual, aliviando cólicas e outros sintomas mais intensos.

O óleo de sálvia esclareia também é recomendado para controlar a produção de sebo, sendo muito indicado para aquelas que sofrem com excesso de cravos e espinhas, muito comuns durante a TPM.

Como usar os óleos essenciais

Agora que você já aprendeu um tanto sobre os principais óleos essenciais, é hora de colocar em prática. Existem, basicamente, cinco formas de utilizar os seus óleos:

  • Inalação
  • Difusão
  • Borrifação
  • Durante o banho: pingue algumas gotas no chão do banheiro, dentro do box
  • Uso tópico: aplicação direta no corpo, no caso de uma massagem
um difusor de óleos essenciais

Que tal utilizar um difusor para utilizar os seus óleos essenciais?

Cuidado com a qualidade do seu produto

Por serem extremamente concentrados, os óleos essenciais PUROS costumam ser muito potentes.

Mas o mesmo não ocorre com óleos diluídos ou misturados a ingredientes pobres, que acabam perdendo as propriedades terapêuticas e medicinais.

Em alguns casos, óleos de baixa qualidade apresentam até alguns antinutrientes, que mais atrapalham do que ajudam.

Por isso, é fundamental saber escolher os óleos certos de acordo com a sua necessidade, sempre se atentando à qualidade e ao grau de pureza, e seguir as recomendações do fabricante para a sua aplicação.

Se você gostou das recomendações deste conteúdo, compartilhe e comente aqui embaixo.

Referências acadêmicas:

Doutor Victor Sorrentino

Especialista: Doutor Victor Sorrentino

Médico e Autor do livro "Segredos Para Uma Vida Longa"

8 maio 2020

Médico e Autor do livro "Segredos Para Uma Vida Longa"

Conteúdos Relacionados