Quer receber conteúdo exclusivo e gratuito "os 6 Principais Nutrientes"?

* Não vamos distribuir seu e-mail

Neuroplasticidade: o que é, como funciona e benefícios

Maior Menor
Dr. Nelson Annunciato

Especialista: Dr. Nelson Annunciato

Neurocientista

14 novembro 2019

Dr. Nelson Annunciato é pós-graduado e especialista em órgãos dos sentidos pelo Departamento de Biologia da UNICAMP; Doutorado em Neurociências pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP e pela “Medizinische Universität zu Lübeck” (Universidade Médica de Lübeck, Alemanha); Pós-doutorado em Programas de Reabilitação Neurológica pelo “Kinderzentrum München” (Centro Infantil de Munique, Alemanha).

Paira no Brasil e no mundo uma epidemia silenciosa, perigosa e determinante para o aumento expressivo dos casos de Alzheimer e outras formas de demência.

Falo do sedentarismo, mas não sobre os algarismos preocupantes que contabilizam as pessoas que não mexem o corpo em quantidade ideal para a saúde. O sedentarismo que abordo aqui se trata do sedentarismo cerebral.

Dia após dia, as pessoas são desencorajadas a estimular o cérebro em direção ao movimento. Foi estabelecido – erroneamente – que a fase de aprendizagem é somente a infância. E que todos os estímulos são destinados a esta fase da vida.

É como se, depois da adolescência, por exemplo, o desenvolvimento do cérebro já estivesse totalmente encerrado.

Porém, com a descoberta da neuroplasticidade e da capacidade permanente e incansável do cérebro de se transformar e de se desenvolver, considero um desperdício manter o cérebro sedentário.

A ciência confirma: o seu cérebro pode se regenerar!

É perigoso demais deixar o cérebro acreditar que ele está “aposentado” no sofá. Pois a mesma ciência já atestou que a “musculação cerebral” é protetora contra as doenças degenerativas.

Com os novos avanços das neurociências, é possível ir muito além. O chamado neurofitness é capaz de resgatar funções destruídas por acidentes vasculares cerebrais ou, até mesmo, pelo Alzheimer. Em outras palavras, isso significa que seu cérebro pode muito mais do que se recuperar de uma doença.

O seu cérebro pode ficar ainda melhor do que era antes de você adoecer porque a neuroplasticidade (a capacidade do corpo de formar e reformar conexões no cérebro) só morre quando você morre! Portanto, a chance de melhorar o seu cérebro começa hoje, agora mesmo!

Um segredo da Índia

Um estudo da University of California (UCLA) revelou que há uma especiaria indiana que pode ajudá-lo a manter a mente funcionando plenamente e eliminar o perigo do Alzheimer.

Conheça esse tempero e outros alimentos que podem te proteger desta doença.

O que é a neuroplasticidade?

Primeiro, preciso que você entenda sobre o universo de possibilidade que se abre com a neuroplasticidade.

Você pode pensar no plástico como algo duro e de baixa qualidade, mas a plasticidade biológica refere-se à capacidade dos seres vivos de se moldarem e adaptarem a novas condições. E os nossos cérebros são muito bons nisso. Porém, precisam receber estímulos certos. E constantes.

Os neurocientistas já identificaram que os exercícios para o cérebro são capazes de ampliar e melhorar a forma dos neurônios (tamanho do corpo celular, quantidade e comprimento da arborização dendrítica, número e tamanho
das espículas dendríticas – local onde ocorrem as sinapses – e tamanho dos terminais axônicos), promovendo resultados ao longo da sua vida.

A plasticidade cerebral, permita-me repetir, só acaba quando a vida termina. Até o seu último respiro há a possibilidade de aperfeiçoar e ampliar as conexões entre as células nervosas e, assim o cérebro.

Desenho de um cérebro levantando peso

A “musculação cerebral” é capaz de resgatar as funções destruídas por AVC ou, até mesmo pelo Alzheimer

A “musculação cerebral” combate o Alzheimer

No caso do Alzheimer, os exercícios cerebrais são comprovadamente protetores.

Segundo os neurologistas da Universidade de São Paulo (USP), após avaliar os cérebros e cruzar com as informações dos pacientes de Alzheimer, constataram que o verbo estudar mostrou-se uma eficiente capa protetora para os casos desta demência senil.

Isso porque, quanto maior a escolaridade, menores os índices deste problema cognitivo, muito provavelmente em decorrência do estímulo constante proporcionado pela leitura e exercícios que são exigidos na vida escolar.

Isto não significa, no entanto, que apenas os anos de estudo podem proteger o seu cérebro. Existem outras alternativas de fortalecer as suas células cerebrais.

Atente para o fato de que o cérebro é curioso. Portanto, não o ocupe com coisas supérfluas. Analise criteriosamente os programas de TV, os grupos das redes sociais, as revistas, livros e jornais que você lê.

Seja generoso com seu cérebro e retire de sua vida as coisas que não irão te ajudar a evoluir. Há pessoas, grupos, programas de TV, os quais, realmente, não te ajudam em nada. Muito pelo contrário, ocupam (e preocupam) teus neurônios com coisas insignificantes.

Empreenda esforços para manter o órgão mais importante de teu corpo no caminho de aprendizados construtivos.
Preparei um guia de exercícios abaixo. Espero que aproveite.

21 exercícios para um cérebro mais jovem e ágil

  • Ajudar os netos na lição de casa: todas as tardes
  • Aprenda a cozinhar coisas novas: uma vez por semana
  • Memorizar nomes das ruas que passa: todos os dias
  • Escovar os dentes com a mão contrária: todos os dias
  • Utilize técnicas mnemônicas: toda vez que precisar memorizar algo
  • Jogue o jogo da memória: quatro vezes por semana
  • Leia um livro: um a cada 15 dias
  • Evite calculadoras: todas as vezes que precisar delas
  • Anote palavras-chaves de pensamentos, conversas e decisões a serem tomadas: todos os dias
  • Faça palavras cruzadas: todos os dias
  • Faça sudoku: todos os dias
  • Faça yoga: de uma a duas vezes por semana
  • Aprenda algo de informática com seu neto: uma vez por semana
  • Aulas de um instrumento musical: uma vez por semana
  • Jardinagem: uma vez por semana
  • Faça um bordado: um novo por semana
  • Aprenda a Língua dos Sinais: um pouco por dia
  • Aprenda um novo idioma: duas vezes por semana
  • Aprenda a pintar: um pouco por dia
  • Faculdade para a 3ª idade: quando você quiser!
  • Utilize outros caminhos para chegar ao trabalho, ir até o mercado ou shopping: sempre que seu tempo permitir

Comece a praticar hoje mesmo os exercícios cerebrais e proteja as suas memórias! O que você achou das recomendações? Conte para a gente nos comentários.

Este café aumenta a memória

uma xícara de café e grãos de café espalhados pela mesa

Quem poderia imaginar que o segredo para deixar de ter esquecimentos pode estar presente no seu cafezinho?

Basta adicionar este ingrediente na sua bebida todos os dias para se proteger da perda de memória e até do Alzheimer.

Veja aqui como preparar o SuperCafé para o seu cérebro.

Dr. Nelson Annunciato

Especialista: Dr. Nelson Annunciato

Neurocientista

14 novembro 2019

Dr. Nelson Annunciato é pós-graduado e especialista em órgãos dos sentidos pelo Departamento de Biologia da UNICAMP; Doutorado em Neurociências pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP e pela “Medizinische Universität zu Lübeck” (Universidade Médica de Lübeck, Alemanha); Pós-doutorado em Programas de Reabilitação Neurológica pelo “Kinderzentrum München” (Centro Infantil de Munique, Alemanha).