Quer receber conteúdo exclusivo e gratuito "os 6 Principais Nutrientes"?

* Não vamos distribuir seu e-mail

Qual é o melhor remédio para tratar o diabetes?

Maior Menor

Você deve ter percebido que cada vez mais surgem pessoas com pré-diabetes ou diabetes, além do aumento crescente da obesidade, que por si só já pode causar estes problemas.

Mesmo que você não tenha sintomas, aconselho que converse com o seu médico para saber qual é a sua situação, pois hoje em dia, erros alimentares comuns acabam predispondo a isso.

Se o seu açúcar no sangue em jejum estiver entre 108 e 125, eles dirão que você tem “pré-diabetes”. E se estiver acima de 125 mgm/dL, já é considerado diabético.

O que é pré-diabetes?

O pré-diabetes é uma situação clínica que precede o diabetes tipo 2.

É quando as suas células começam a ter uma resistência à insulina e, consequentemente, o organismo tem dificuldade para absorver a glicose – que deveria entrar na célula para gerar energia, mas acaba se acumulando no sangue.

Com o passar dos anos, de acordo com as pesquisas, cerca de 70 a 75 por cento das pessoas diagnosticadas com pré-diabetes irão evoluir para diabetes.

Então, caso você seja pré-diabético, a primeira medida que seu médico vai indicar é que comece a usar uma medicação genericamente conhecida como Metformina.

Mas, com o tempo, a Metformina cria mais problemas do que resolve.

Entre os efeitos colaterais, causa deficiência de vitamina B12, que é fundamental para geração de energia, e predispõe o diabetes.

Sim, você leu corretamente. O remédio usado para evitar diabetes causa a doença!

Leitura recomendada:

Um ingrediente anti-diabético no churros?

churros com cobertura de chocolate

Neste delicioso doce de massa crocante está escondido um ingrediente capaz de acelerar em até 20 VEZES a queima de açúcar no seu sangue.

Saiba aqui como sentir seus benefícios e riscar o Diabetes da sua vida.

A Metformina causa diabetes!

Como pode uma medicação que é desenvolvida para evitar a diabetes ser a causadora do problema?

A Metformina, como todo remédio sintético, tem efeitos colaterais. Um deles é particularmente preocupante, pois estudos recentes mostram que o medicamento leva à redução dos níveis de TSH.

Durante 25 anos, os pesquisadores estudaram dados de mais de 74 mil pessoas que tomam Metformina. Em comparação com outro fármaco para diabetes, a medicação foi associada a um risco 55% maior de redução dos níveis de TSH.

E aqui está a parte mais irônica: os baixos níveis de TSH aumentam o risco de diabetes.

Pesquisadores na Holanda analisaram 8.452 pessoas sem diabetes. Eles descobriram que aqueles indivíduos com os baixos níveis de TSH tinham um risco 20% maior de desenvolver diabetes do que aqueles com os níveis mais altos.

Porém, para as pessoas com pré-diabetes, o risco de progredir para a diabetes completa foi assustadoramente de 40%%.

Resumindo, a Metformina, a mesma droga que seu médico prescreve para pré-diabetes, reduz os seus níveis de TSH e aumenta o risco de desenvolver diabetes.

Fundo azul e metformina, remédio para diabetes que muitas vezes é a causa da doença

Metformina: o remédio usado para evitar diabetes causa a doença!

O passo a passo para controlar glicemia e insulina

Durante muito tempo, tenho ajudado meus pacientes não apenas a controlar os sintomas do diabetes, mas revertê-la.

Confesso que cheguei a indicar essa medicação, consciente de alguns efeitos colaterais, como comprometimento da assimilação da vitamina B12, a qual eu fazia a sua correção.

Mas, a partir desse estudo, entendi que a Metformina só deverá ser usada por curto período, ou se adotar uma estratégia mais segura, como vou abordar agora em diante.

Entendam que sempre procuro pesar os prós e contras de qualquer tratamento que possa trazer o máximo de saúde para o próximo, com o mínimo possível de efeitos colaterais.

Resumindo, a minha base é a ciência, a sigo conforme as comprovações se tornam evidentes.

Tenha uma dieta rica em gorduras

Seguir uma dieta rica em gorduras boas e proteínas em moderação (carne vermelha, leite cru e derivados de animais criados a pasto, banha de porco, óleo de coco, óleo de oliva, amêndoas, além de peixes selvagens de águas profundas) com bastante vegetais e legumes e redução virtualmente a zero de açúcar, frutose, carboidratos refinados e industrializados, grãos, e óleos vegetais hidrogenados ou parcialmente hidrogenados.

O suposto risco cardiovascular (já refutado) de comer carne em geral e os pedacinhos gordurosos, fez com que as pessoas se inclinassem, nesses últimos 60 anos, ao vegetarianismo ou mesmo diminuindo o seu consumo.

Leitura recomendada:

Os 5 Gatilhos para o Infarto e o AVC

Colesterol alto, consumo de carne vermelha… essas e outras mentiras estão colocando a saúde do seu coração em risco…

… enquanto há 5 gatilhos REAIS que secretamente te colocam na mira do infarto e do AVC.

Somente o #1 é responsável por 80 por cento dos casos de derrame e ataque cardíaco. Descubra os 5 gatilhos aqui.

Por incrível que pareça, Bacon não é vilão!

Entre os alimentos que foram excluídos da alimentação, está o delicioso bacon.

Com essa mudança alimentar, os vários nutrientes valiosos do bacon têm se tornado deficientes nas pessoas, como a colina, que é essencial para o funcionamento do sistema nervoso.

E você sabe qual uma consequência da deficiência em colina? A ansiedade. Portanto, comer o bacon pode simplesmente ser a solução para o aumento do distúrbio de ansiedade nos dias de hoje.

Por incrível que pareça, os supercentenários (as pessoas que vivem além dos 110 anos), na imensa maioria, comiam bacon regularmente, segundo as estatísticas.

Porém, o grande problema em potencial é o bacon frito. Este método de preparo tem dois grandes inconvenientes: as partes do bacon que mais encostam na frigideira tendem a queimar, criando compostos potencialmente cancerígenos, chamados de aminas heterocíclicas.

E então, você me pergunta: qual é a solução? O bacon assado.

A receita do bacon funcional

Veja como preparar:

  • Use uma assadeira de aço inoxidável revestido com celofane de cozimento;
  • Coloque, em seguida, o bacon cru cortado grosso, do animal criado a pasto, em fileira;
  • Cozinhe o bacon dentro de um forno pré-aquecido a 180°C por 20 minutos;
  • Depois de 20 minutos, use uma pinça para virar todos os pedaços. Asse-os por mais 15 minutos.

Sem pedaços queimados ou crus, o assar o bacon garante que todo o alimento esteja uniformemente cozido e delicioso.

Não precisa drenar a gordura do bacon, pois assim mantém mais sabor e benefício à saúde.

Mas, se preferir, você pode secar cada pedaço com toalha de papel antes de armazená-lo em um pote hermético.

Agora você pode usar o bacon de múltiplas maneiras: cortado em pedacinhos com uma tesoura de cozinha, por cima de verduras cozidas no vapor ou de uma salada, cortado e acrescentado a ovos mexidos, ou até mesmo pedaços do frasco para um lanche rápido, que manterá a sua energia e saciedade sob controle.

Além de um lanche delicioso, você terá uma refeição sem carboidratos ou, em outras palavras, cetogênica.

bacons assados sobre a mesa, conheça a receita

Bacon assado é uma ótima opção para uma refeição cetogênica

O mineral que melhora a sensibilidade insulínica

Sulfato de vanádio é um mineral que promove melhora da sensibilidade à insulina e hepática em indivíduos com diabetes tipo 2.

Isso porque ele imita a ação da insulina, levando a glicose do sangue para as células onde ela pode ser usada como energia.

Em um estudo, as pessoas com diabetes tomaram suplementos de vanádio diariamente. Após apenas três semanas, os níveis médios de açúcar no sangue diminuíram 10%.

A recomendação é tomar 500 mcg de sulfato de vanádio, três vezes ao dia. Apenas não exceda 10 mg em um dia e evite em gestantes e mulheres em lactação.

Goiaba: a fruta que controla glicemia

A goiaba controla o açúcar no sangue e diabetes. As hastes, as folhas e os frutos bloqueiam a digestão dos hidratos de carbono.

Em consequência, você tem menos elevação de açúcar no sangue e precisa de menos insulina.

Esses benefícios fazem com que seja menos provável que você desenvolva resistência à insulina. Outra opção recomendada também é usar o chá de goiaba.

Como estão os seus níveis de Vitamina D?

A deficiência de vitamina D está diretamente ligada à resistência insulínica, pré-diabetes e diabetes tipo 2. Segundo estudo, essa condição pode aumentar o risco de diabetes em 91%.

Para ter níveis ideais dessa substância, você pode tomar banho de sol, por exemplo. A exposição ao sol, especialmente no horário entre 10h e 14h, sem protetor solar, é recomendada.

Consuma também os alimentos ricos em vitamina D: sardinha, ovos de galinha caipira e carne de gado, fígado e laticínios de animais criados a pasto.

No caso do diabetes, recomendo uma suplementação de 10.000 UI por dia.

Olha quantas alternativas naturais que podem prevenir, tratar e até reverter o diabetes! Compartilhe e comente aqui se você gostou do conteúdo.