Mau hálito: soluções naturais para dar adeus ao cheirinho bucal

Maior Menor
Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

29 junho 2021

Editor

Não sabe como controlar o mau hálito? Esqueça os enxaguantes bucais e cuide da saúde da sua boca com soluções naturais e bons alimentos

Se ao conversar com alguém a reação recebida foi igual à sincerona Hermione Granger, fiel escudeira do Harry Potter, esse texto é para você. O mau hálito é um problema popular e dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) estimam que ele atinja cerca de 50% da população em diferentes graus de seriedade. 

Mas nem tudo está perdido. A partir de hoje, você pode começar a dar adeus às reações de incômodo com este problema — ainda mais quando pudermos voltar a conviver sem o uso de máscaras.

Mau hálito, halitose, bafo. As denominações chegam ao mesmo lugar: o odor que sai da boca causado na maioria das vezes pela saburra — uma camada branca que se deposita na língua. Ela pode acontecer por falta de higiene, por questões fisiológicas ou até mesmo por problemas no intestino.

Ao menor sinal de um cheiro — não muito agradável — vindo da boca, as pessoas costumam recorrer aos famigerados enxaguantes bucais. Porém, eles fazem pouco pela higiene bucal. 

“Eles se concentram em alterar a composição química dos gases rançosos e não fazem nada para impedir a bactéria causadora do mau hálito”, explica o médico especialista da Jolivi, Dr. Wilson Rondó Jr.

O ideal, como me contou o Dr. Rondó, é que você saiba e elimine os causadores do problema e cuide da sua higiene bucal de forma natural. E isso é possível!

Quais são as principais causas da halitose?

Há quatro principais causas para a halitose acontecer e elas precisam ser investigadas, de acordo com hábitos e comportamentos de cada pessoa. A primeira delas é a ecologia microbiana.


Por muitas das vezes, a halitose deriva de micróbios indutores de odor que residem entre os dentes e as gengivas, além da língua. Também pode ser causada por bactérias ligadas à doença das gengivas.

“A doença gengival tem dois estágios: gengivite e periodontite. Se não for tratada imediatamente, a gengivite pode progredir em periodontite, o que literalmente significa ‘inflamação em torno dos dentes’”, explica o Dr. Rondó.

Tabagismo

O mau cheiro oral induzido pelo fumo é uma das formas mais graves — e o problema não está apenas nos cigarros. Os charutos também contém vários produtos químicos que produzem um forte cheiro e manchas nos dentes.

Região do nariz

Causas do mau hálito podem estar nos sinus, no nariz e na nasofaringe — área que a língua não alcança, atrás do nariz e acima da base da língua.

“Os sinus nasais, essas cavidades ósseas da cabeça abaixo de seus olhos, são muito provavelmente culpados pelo mau hálito, caso fiquem infectados”, explica o Dr. Rondó.

Alimentação inadequada

O consumo exagerado de carboidratos refinados, refrigerantes, frutas — e sucos de frutas — e até mesmo bebidas saudáveis enriquecidas com vitaminas e grãos, geram grandes quantidades de açúcar. Isso causa um desequilíbrio acentuado da ecologia intestinal.

Problemas com a ingestão de açúcares? Descubra o sistema único de apenas 3 etapas capaz de prevenir e reverter o Diabetes tipo 2

Assim, surge o intestino como um fator causador do mau hálito. Esses hábitos alimentares aumentam bactérias, fungos e leveduras. Elas se multiplicam e produzem metabólicos que levam à deterioração da saúde.

“Cerca de 80% dos receptores imunológicos estão localizados no intestino, e quando há o desequilíbrio dessas bactérias, esses receptores estão nocauteados. O equilíbrio é quando temos cerca de 85% de boas bactérias e 15% de bactérias ruins”, explica o Dr. Rondó.

Soluções naturais para o mau hálito

Já vamos começar pelo caso da halitose causada por vias nasais. De acordo com o Dr. Rondó, o melhor tratamento para esse tipo de mau hálito é a água oxigenada (peróxido de hidrogênio ou H2O2). Ela é melhor que qualquer enxaguante bucal, pois mata bactérias – o que nenhum dos outros produtos faz —, retarda gengivites e reduz a formação de placas.

“Use a água oxigenada, da farmácia à 3%. Dilua em 50% com água e coloque de 5 a 10 gotas em cada narina. Inale vigorosamente (vai queimar um pouco). Faça isso 2 vezes por dia, e veja se ajuda. Se não surtir efeito, então o seu problema não é o sinus”, detalha.

Se o problema não é o sinus, você pode optar pelo óleo de coco. O bochecho com esse ingrediente durante 10 minutos permite a extração de bactérias patogênicas. Ao final, você deve cuspir todo o óleo.

“Mas isso também só traz resultado provisório de pouca duração, apesar de ser bem saudável. Na verdade, o que você precisa fazer é corrigir a sua alimentação”, pontua o Dr. Rondó.

Então, o que comer?

Uma boa saída para manter a saúde intestinal e, como consequência, melhorar o hálito, é consumir alimentos não processados. Então você pode optar por colocar cada vez mais nas suas refeições:

  • Alimentos crus ou levemente cozidos;
  • Carnes de animais terminados a pasto (quando ele atinge o peso de abate) e laticínios orgânicos;
  • Alimentos de fontes orgânicas;
  • Vegetais como carboidratos – exceto as batatas;
  • Gorduras saudáveis como óleo de coco, abacate, sementes e nozes; e
  • Leites orgânicos e fermentados – como kefir e iogurte.

Dicas para melhorar a sua escovação


Escovar bem os dentes nunca é demais. Porém, é recomendável que o uso de pastas de dente com fluoreto seja evitado. Em vez de prevenir cáries e outros problemas dentários, o fluoreto está associado com a má higiene oral e uma série de riscos para a saúde.

A cárie, por sua vez, é impulsionada pela relação simbiótica entre bactérias e acidez, o que é responsável por um ambiente patogênico na boca. O que pode levar ao mau hálito.

A dica de ouro para neutralizar a acidez da boca é escovar os dentes com bicarbonato de sódio à noite. Uma sugestão é fazer bochecho com um pouco de bicarbonato de sódio dissolvido em água. 

Óleos essenciais em prol do bom hálito

Sim! Isso mesmo que você leu: os óleos essenciais podem melhorar significativamente o seu hálito. As melhores opções são tomilho, hortelã-pimenta, gaultéria e eucalipto.

Um estudo do Eastman Dental Center, da Universidade de Rochester, em Nova York, descobriu que essas soluções naturais reduzem a inflamação e a placa bacteriana que podem causar o odor bucal.

Já um artigo do Journal of Clinical Periodontology relatou que o uso de um enxaguante bucal à base de óleo essencial foi capaz de reduzir em 75% a presença de streptococcus mutans, uma cepa que causa cáries dentárias. Esses óleos também são capazes de prevenir mau hálito por até três horas, eliminando os germes da boca.

Adquira agora mesmo o grande livro da saúde natural, escrito pelo Dr. Wilson Rondó, e receba na sua casa.

Referências 

– J Biol. Chem. 1987: 262(3):1098-104

– Canadian Journal of Gastroenterology, Sept 2010; 24(9): 552-556

– Huffington Post, Jan 13, 2010

– Huffington Post, July 20, 2011

Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

29 junho 2021

Editor

Conteúdos Relacionados