Buscar

Os hormônios da felicidade: quais são, como ativar e benefícios

Maior Menor
Dr. Nelson Annunciato

Especialista: Dr. Nelson Annunciato

Neurocientista

19 agosto 2020

Dr. Nelson Annunciato é pós-graduado e especialista em órgãos dos sentidos pelo Departamento de Biologia da UNICAMP; Doutorado em Neurociências pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP e pela “Medizinische Universität zu Lübeck” (Universidade Médica de Lübeck, Alemanha); Pós-doutorado em Programas de Reabilitação Neurológica pelo “Kinderzentrum München” (Centro Infantil de Munique, Alemanha).

O que é felicidade para você? É ser rico? Ganhar na loteria? Estar com a família e com os amigos? Poder viajar todos os fins de semana? Ter um corpo saudável?

Desde que a pandemia foi decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil e o mundo enfrentam uma realidade diferente da que estávamos acostumados.

Durante o isolamento social, estamos conversando de forma verbal com menos pessoas. Locomovemos por menos tempo e em menores espaços. Utilizamos muito mais os aparelhos tecnológicos. E tudo isso pode agravar a solidão.

 

Conteúdos relacionados:

 

Por isso, mesmo em tempos de pandemia, é preciso saber cuidar do seu cérebro. Especialmente dos neurotransmissores que desempenham um papel crucial nas conexões cerebrais.

Eles permitem, por meio de reações químicas, a comunicação entre os neurônios, regulando diversas funções do organismo.

Vamos, neste momento, focar em quatro neurotransmissores que, carinhosamente, apelidei de “quarteto da felicidade”, pois eles nutrem o nosso cérebro para que as sensações de bem-estar, alegria, motivação, prazer e, claro, felicidade sejam liberadas e sentidas.

O meu quarteto da felicidade é composto por:

  • Endorfina
  • Dopamina
  • Serotonina
  • Oxitocina

Quer diminuir a dor naturalmente? Invista na endorfina!

As endorfinas são substâncias que, de uma só vez, te ajudam em ambos. É por causa delas que você continua agindo mesmo quando está machucado ou em situações de estresse. Pensando em questões de sobrevivência, as endorfinas desempenharam um papel importante na evolução humana.

Um senhor andando de bicicleta no parque

Sabe aquela sensação de bem-estar depois de um exercício físico? É a endorfina atuando.

Produzidas pelo sistema nervoso central e pela glândula pituitária, as endorfinas agem nos receptores opióides do seu cérebro que regulam a sensação de dor, minimizando os desconfortos e ampliando os prazeres.

Elas são liberadas não só quando você está machucado ou estressado, mas também durante boas refeições, atividades físicas, relações sexuais e a gestação.

Sintomas da falta de endorfina

Pode ser que seus níveis de endorfina estejam insuficientes se você apresenta estes sintomas:

  • Comportamentos impulsivos
  • Ansiedade
  • Variações de humor
  • Dores
  • Vícios
  • Problemas para dormir

Como aumentar a produção de endorfina?

Muitos estudos já avaliaram a eficácia da atividade na redução de sintomas de depressão. Segundo uma revisão de artigos, publicada em 2004 no Journal of Clinical Psychiatry, a grande maioria deles descrevem os efeitos benéficos.

O órgão que secretamente apaga a Depressão

Diferentemente do que muitos pesquisadores acreditavam, a origem da Depressão NÃO está no cérebro.

Há um outro órgão no seu corpo quimicamente controlando suas emoções, capaz de dar fim à apatia, desânimo e tristeza – saiba aqui qual é este órgão.

Em um dos ensaios analisados, apenas 30 minutos diários de caminhadas na esteira por dez dias consecutivos foram suficientes para “produzir redução clínica e estatisticamente significativas de depressão”.

Outra publicação avaliada observou 30 homens e mulheres de uma mesma comunidade com depressão moderada. Eles foram divididos aleatoriamente em três grupos: um fez atividades físicas (caminhada com duração entre 20 e 40 minutos, três vezes por semana durante um mês e meio, outro apoio social e último era o de controle, uma lista de espera.

Como resultado, os cientistas observaram que o exercício físico aliviou os sintomas gerais da doença e foi mais eficaz do que os outros dois grupos na redução dos sintomas.

Quer ser menos estressado? Aposte na serotonina

Outro neurotransmissor muito importante para o organismo humano, responsável por controlar o sono, o bom humor, a fome e até mesmo a libido, é a serotonina.

Ela é liberada enquanto ouvimos boas músicas ou aproveitamos tempo na natureza.

Ir ao parque, encostar nas árvores, entrar em contato com a energia da natureza e respirar ar puro também é uma espécie de terapia. Isso tudo ajuda a elevar os níveis de serotonina e é um investimento necessário para beneficiar o corpo.

Como a serotonina diminui o estresse?

Existe uma substância chamada cortisol, que quando excessivamente produzida (geralmente, em situações de estresse físico e emocional), pode trazer inúmeros prejuízos, como o aumento da probabilidade de diabetes ou até mesmo o desenvolvimento da depressão.

E a serotonina tem o papel de controlar esse hormônio. E esse equilíbrio químico dentro do organismo, permite fazer do estresse um aliado, e não inimigo.

Existem muitas formas de dar equilíbrio a essa balança. Confira:

Como aumentar os níveis de serotonina?

  • Praticar meditação: todo movimento que conecta, dentro do âmbito físico, o foco na concentração, postura e respiração, é a receita ideal para o controle dos níveis de cortisol no seu organismo. Para dicas práticas, sugiro que clique aqui.
  • Consumir Erva de São João: usada desde a Idade Média, esta planta é conhecida por aumentar a disponibilidade de serotonina. Ela também é bastante utilizada também em casos de alcoolismo, reduzindo o desejo e a compulsão pela substância.
  • Consumir alimentos ricos em triptofano que, entre outras funções, participa da formação da serotonina e mantém a vitalidade do organismo. Por exemplo, nozes, amendoim, castanha de caju, abacate, amêndoas, couve-flor, batata e banana.

Aumente a motivação com a dopamina!

Quando se trata de movimentos, motivação, foco, atenção, tomadas de decisão, respostas emocionais e sensação de recompensa, estamos falando da dopamina.

Aparentemente, neurocurioso e neurocuriosa, ela está relacionada apenas à sensações prazerosas (ou a falta delas).

Seu cérebro libera essa substância quando espera recompensa seja comendo, jogando cartas ou até mesmo fazendo compras. É exatamente por conta disso, entretanto, que ela tem um papel importante em casos de dependência, seja ela do que for, pois ela constrói um ciclo de motivação e recompensa.

A dopamina também está envolvida com:

  • Fluxo sanguíneo;
  • Funcionamento do coração e rins;
  • Regulação da insulina;
  • Sono;
  • Resposta ao estresse.

A relação do seu sistema motor com a dopamina é estreita, por isso ela também é a chave para regredir doenças importantes como o Parkinson.

Como aumentar os níveis de dopamina?

Para aumentar os níveis de dopamina, sugiro a Mucuna pruriens, uma planta de origem africana e da Ásia tropical que, além de ampliar os neurotransmissores da felicidade, pode te ajudar a melhorar a memória e a produção de testosterona.

Os estudos já mostraram efeitos com 30 mg, minha recomendação é que você consuma uma cápsula de 100 mg antes de dormir. Alinhe com o profissional que te acompanha as dosagens e depois me escreva como esta recomendação te ajudou, combinado?

Oxitocina: seja feliz com mais prazer e amor

Por último, oxitocina ou ocitocina é um neurotransmissor, conhecido como o “hormônio do amor”. Ele costuma aparecer quanto estamos perto de alguém muito querido e está ligada à sensação de prazer e de bem-estar físico e emocional.

Além de melhorar as relações sociais, oxitocina ajuda a combater a depressão e ansiedade e aumenta o desempenho sexual, agindo junto com a testosterona, no homem, e a progesterona, na mulher.

Como aumentar os níveis de oxitocina?

Talvez, por conta da pandemia e do isolamento social, a gente esteja sofrendo de carência de oxitocina.

De acordo com uma revisão de artigos publicada na revista científica Frontiers in Psychology, ela é liberada quando abraçamos e beijamos uns aos outros, está conectada ao contato sensoriais entre os amantes. Apenas os atos de ver, pensar e conversar com a pessoa amada libera a substância no cérebro.

O artigo também cita como ações desencadeadoras da oxitocina:

  • Massagens;
  • Conversas e interações positivas entre pessoas;
  • Brincar e ter a companhia de animais de estimação;

Espero que este artigo tenha te tornado um pouco mais feliz, mais alegre.

Dr. Nelson Annunciato

Especialista: Dr. Nelson Annunciato

Neurocientista

19 agosto 2020

Dr. Nelson Annunciato é pós-graduado e especialista em órgãos dos sentidos pelo Departamento de Biologia da UNICAMP; Doutorado em Neurociências pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP e pela “Medizinische Universität zu Lübeck” (Universidade Médica de Lübeck, Alemanha); Pós-doutorado em Programas de Reabilitação Neurológica pelo “Kinderzentrum München” (Centro Infantil de Munique, Alemanha).

Conteúdos Relacionados