Buscar

Gordura no fígado: 1 planta pode combater o problema

Maior Menor
Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

3 maio 2021

Editor

Apesar de ser o único órgão do corpo humano capaz de se regenerar, o fígado adoecido pode levar a uma série de doenças em todo o organismo

Talvez você não conheça a terminologia esteatose hepática, mas certamente já ouviu muito falar sobre a gordura no fígado. A doença, também diagnosticada como  doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA), acomete boa parte dos brasileiros, principalmente homens, e pode levar a outros problemas de saúde. A medicina natural tem um grande aliado para a saúde do fígado, que é o cardo mariano.

Apesar do fígado ser o único órgão do corpo humano capaz de se regenerar – ele é capaz de reconstituir até 75% dos seus tecidos —, isso não quer dizer que ele pode ser descuidado. Muito pelo contrário.

Nos Estados Unidos, a esteatose hepática já superou o alcoolismo e se tornou a segunda principal razão para um transplante hepático. Se ela não for tratada, pode causar infarto, cirrose (não alcoólica) e até câncer.

Um estudo da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, com a Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, avaliou 3.508 homens. A gordura no fígado foi associada a um risco 22% maior de hiperplasia benigna de próstata. Ou seja, a doença também pode afetar diversas outras partes do organismo.

Maus hábitos levam à gordura no fígado

 

O médico e especialista da JOLIVI, Dr. Carlos Schlischka, explica que o excesso de carboidratos processados, açúcares e gordura hidrogenada aumenta os níveis de gordura no fígado. Além disso, o sedentarismo é um vilão para a saúde do órgão.

“Esses maus hábitos fazem a glicose do seu organismo subir. A insulina sobe para mandar a carga extra de açúcar para as células. Se a carga não diminui, a insulina não dá conta e o açúcar começa a se acumular no fígado. Lá no órgão, as células responsáveis pelo excesso de glicose também começam a ficar sobrecarregadas”, detalha.

Com excesso de glicose no organismo, o fígado também começa a sofrer com o excesso de gordura e, dessa maneira, surge a esteatose hepática. E há um dado que homens precisam se atentar: a gordura no fígado os deixa com 41% de maiores riscos para terem hiperplasia benigna da próstata.

A eficácia do cardo mariano para combater fígado gorduroso

 

O que fazer quando não há medicamento conhecido para uma doença? 

A Fundação Cochrane, mais conceituada e respeitada rede independente de pesquisadores do planeta, anunciou, em outubro de 2018, que “atualmente, não há intervenção farmacológica efetiva em pessoas com doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA)”.

Por outro lado, a saúde natural pode contribuir com eficácia para combater a gordura no fígado. Há uma planta chamada cardo mariano (Silybum marianum) que é poderosa na proteção e estímulo de funcionamento das células do fígado. Além disso, ela beneficia também a principal glândula masculina, a próstata.

Popularmente usado há anos, o cardo mariano auxilia no tratamento de doenças como esteatose hepática, gastrite, diabetes, artrite e até Alzheimer. Seu poder está concentrado no composto natural extraído da planta, a silimarina, que estimula várias funções das células hepáticas, como:

  • Proliferação celular;
  • Síntese proteica (geração de proteínas);
  • Assimilação do oxigênio;
  • Formação de energia; e
  • Reparação das membranas celulares danificadas.

O cardo mariano cresce espontaneamente em regiões de pasto no Brasil e em toda a América do Sul. Ela é originária do Sul da Europa e Norte da África. Por ser repleta de espinhos pontiagudos, com flores roxas e azuladas, seu manuseio pode ser difícil. Porém, ela é facilmente encontrada em farmácias de manipulação na forma de extratos.

Como consumir o cardo mariano?

 

O Dr. Carlos Schlischka recomenda para problemas moderados do fígado, que seja usada uma manipulação de 150mg de extrato seco padronizado da planta para cada cápsula e tomar duas vezes ao dia.

“Para um efeito ainda melhor, você pode manipular na mesma cápsula 150mg de cardo mariano e 150mg de dente-de-leão (Taraxacum officinale), outra planta potente para eliminar gordura no fígado, excelente diurético e que ainda age no controle dos triglicérides. Tome, também, duas vezes ao dia”, complementa o médico.

Em geral, o cardo mariano é uma planta segura, mas algumas pessoas podem ter alergia. “Sugiro que você observe qualquer reação da planta no seu corpo e, em caso de reações, suspenda seu uso”, finaliza.

 

[Vazou] O Ranking dos 7 Remédios Mais Letais

Tivemos acesso a um ranking que desmascara os 7 remédios mais perigosos que ameaçam a sua saúde. A chance de você ter pelo menos 4 deles na sua gaveta HOJE é muito grande.

Saiba de tudo agora

 

Atenção!

 

Se você não tem a oportunidade de encontrar um profissional de saúde natural ou integrativa, leve essas alternativas naturais ao seu médico ou nutricionista (e neste caso o educador físico também)de confiança e veja o tratamento que mais se encaixa no seu caso.

Referências:

 

 

  • Johann Sonnenbichler, Fortunato Scalera, Isolde Sonnenbichler and Roland Weyhenmeyer. Stimulatory Effects of Silibinin and Silicristin from the Milk Thistle Silybum marianum on Kidney Cells. Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics September 1999, 290 (3) 1375-1383;
  • Chung GE, Yim JY, Kim D, et al. Nonalcoholic Fatty Liver Disease Is Associated with Benign Prostate Hyperplasia. J Korean Med Sci. 2020;35(22):e164. Published 2020 Jun 8. doi:10.3346/jkms.2020.35.e164;
  • Cacciapuoti F, Scognamiglio A, Palumbo R, Forte R, Cacciapuoti F. Silymarin in non alcoholic fatty liver disease. World J Hepatol. 2013;5(3):109-113.

 

  • Cochrane Database Syst Rev. 2018 Oct; 2018(10): CD013156.
  • PLoS One. 2015 Aug 7;10(8):e0134172.
  • World J Hepatol. Mar 27, 2013; 5(3): 109-113
Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

3 maio 2021

Editor

Conteúdos Relacionados