Buscar

Ginkgo biloba: benefícios, onde comprar e efeitos

Uma foto de Ginkgo biloba
Maior Menor
Daniel Forjaz

Especialista: Daniel Forjaz

Biólogo e Especialista em Fitoterapia Clínica

16 julho 2020

Daniel Forjaz é Biólogo tem se especializado em Fitoterapia Clínica. Trabalha com Plantas Medicinais há mais de 12 anos e tem cuidado de sua saúde e da saúde de sua família apenas utilizando o incrível poder das plantas.

Você sabia que ginkgo biloba é uma planta fantástica e que tem um poder incrível contra o Alzheimer e contra a calvície?

Curioso, né? Já vou te explicar como ela funciona.

Mas, primeiro, deixa eu te contar um pouco da história dela.

 

Conteúdos relacionados:

 

O que é a Ginkgo biloba?

Conhecida como uma das plantas mais antigas do planeta, a Ginkgo biloba é muito usada na medicina natural por seus múltiplos benefícios para a saúde.

Nativa da Ásia, a árvore da Ginkgo Biloba é conhecida por ser resiliente, adjetivo usado para quem é capaz de se recuperar de adversidades e de se superar.

Uma árvore pode atingir, em média, 35 metros, o que equivale a um prédio de 12 andares, e pode viver mais de mil anos.

Uma foto de Ginkgo biloba

Ginkgo biloba é uma das plantas mais antigas do planeta e muito conhecida pelos seus poderes terapêuticos

Segundo geólogos, a Ginkgo é considerada um “fóssil vivo”, por ter vencido grandes eventos de extinção.

Para você ter uma ideia, a planta foi a primeira a brotar após uma bomba atômica destruir a cidade de Hiroshima, no Japão, no final da Segunda Guerra Mundial em agosto de 1945.

A explosão atingiu uma temperatura 40 vezes maior que a do sol e matou 140 mil pessoas.

A um quilômetro da tragédia, entre as ruínas de um templo budista, restou uma sobrevivente: a árvore Ginkgo Biloba, que brotou menos de um ano após o lançamento da bomba e passou a ser cultuada como um símbolo de resistência.

Milhares de anos antes, a árvore durona resistiu a diversas eras glaciais na China, períodos em que camadas espessas de gelo cobriram grandes áreas da Terra.

Quais são os efeitos da Ginkgo biloba?

De acordo com alguns cientistas, a Ginkgo Biloba desenvolveu uma espécie de “DNA” contra bactérias, fungos, vírus e insetos e é capaz de sobreviver mesmo em locais com pouca luz e com escassez de nutrientes.

Além de cuidar muito bem de si mesma, transformando-se numa espécie de armadura para invasores, a planta também é poderosa para o seres humanos.

No cérebro, ele tem a função de aumentar a irrigação, a disponibilidade de oxigênio e, consequentemente, abastecer as células cerebrais saudáveis.

Um estudo realizado na Itália por 24 semanas mostrou que a ginkgo biloba teve um efeito semelhante ao donepezil, medicamento usado no tratamento do Alzheimer.

O donepezil, no entanto, traz efeitos colaterais como insônia, fadiga, dor de cabeça e enjoo.

Se no cérebro, ela aumenta a irrigação, o que ela pode fazer pelos meus cabelos?

Exatamente a mesma coisa.

Veja essa foto… são apenas poucas semanas de diferença!

Você acreditaria se eu te dissesse que a diferença nessas nas duas fotos foi causada pelo uso de APENAS UMA SEMENTE? Sim, nada de medicamentos com terríveis efeitos colaterais ou algum tipo de cosmético.

E hoje, você pode ter acesso GRATUITO a um documento com todos os detalhes de como usar corretamente essa semente, basta clicar aqui.

Ao aumentar a circulação sanguínea na área do couro cabeludo, ela possibilita a chegada de nutrientes fundamentais para o crescimento e manutenção do cabelo, como a biotina e o ferro.

Ela é realmente muito popular e fantástica, não achou?

Onde comprar? Como fazer o uso da planta?

É possível encontrar o extrato seco de Ginkgo biloba nas lojas de produtos naturais. E uma quantidade segura é de até 60 mg, duas vezes por dia.

Para o chá, use uma colher de sobremesa de planta picada para cada xícara de água. Faça o chá por infusão e beba de duas a três xícaras por dia.

Não exceda a quantidade sugerida, porque a planta pode interagir com várias classes de medicamentos, como antidepressivos, anticonvulsivos, anti-hipertensivos, anticoagulantes.

Ou seja, a planta pode tanto potencializar a ação dos medicamentos, como pode reduzir a ação deles.

Minha sugestão é que você converse com seu médico, que poderá dizer se a planta pode ser boa para você, e leia a bula.

Muitas bulas informam quando o medicamento interage com gincosídeos (princípio ativo do ginkgo biloba).

Espero que você tenha gostado dessas dicas, compartilhe e comente aqui se tiver alguma dúvida, beleza?

Daniel Forjaz

Especialista: Daniel Forjaz

Biólogo e Especialista em Fitoterapia Clínica

16 julho 2020

Daniel Forjaz é Biólogo tem se especializado em Fitoterapia Clínica. Trabalha com Plantas Medicinais há mais de 12 anos e tem cuidado de sua saúde e da saúde de sua família apenas utilizando o incrível poder das plantas.

Conteúdos Relacionados