A fonte da sua libido está no intestino

Maior Menor

Recentemente, uma grande amiga confessou que, depois que me conheceu, vem olhando para a sua saúde e para certos aspectos de seu bem-estar com outros olhos.

Essa percepção mudou, disse ela, em um estalar de dedos.

“Você me deu um dos maiores chacoalhões da minha vida”, ela escreveu em uma mensagem do Whatsapp.

Fiquei lisonjeada e explico os motivos.

Admiro muito as mulheres que percebem quando uma ficha caiu.

Saber que posso facilitar uma mudança de vida é como um abraço quentinho.

Essa é a minha proposta com você hoje. Que tal mudar algo tido como imutável. Um verdadeiro tabu.

Portanto, quero compartilhar o que mexeu tanto com a vida da minha amiga.

Eu sei que você também ficará mexida.

Está gostando desse artigo?
Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural
Receba Já

*Não vamos distribuir seu e-mail

Os assassinos da libido

Vamos lá para um panorama.

Você vai entender como podem ter comprometido a plenitude da sua sexualidade sem que você tenha se dado conta.

A total inoperância, desconhecimento e negligência com que a medicina tradicional olha para a nossa vida sexual é um disparate.

Há mais de meio século, a indústria farmacêutica lançou um grupo de remédios alçados como melhores amigos inseparáveis da mulher: os anticoncepcionais.

Não importa a nossa idade, seja para “regular o ciclo menstrual” ou evitar uma gestação indesejada, sair do consultório ginecológico com a indicação de uso da pílula é a coisa mais normal do mundo.

No Brasil, eles são vendidos sem a necessidade de uma receita médica. Ou seja, você nem precisa ir ao médico para decidir tomar.

Eu não sei a sua idade, mas se você não é usuária, você deve ter tomando anticoncepcional durante boa parte da sua vida.

O problema é que só agora as informações estão aparecendo.

Com os avanços dos estudos e da avaliação clínica de mulheres que tomaram estes hormônios, estes mesmos remédios revelaram-se comprovadamente influentes no aumento de depressão, obesidade, trombose.

E não é só isso.

Os contraceptivos também já estão indicados como os verdadeiros assassinos da libido. E tem gente que ainda pensa que é eles são a pílula da liberdade.

Tem certeza?

A doença do século

Quando você faz ou fez uso do anticoncepcional, seu conteúdo estimula a produção de um tipo de bactéria, no seu intestino, que se alimenta de estradiol.

O estradiol é um hormônio sexual feminino que, entre suas responsabilidades, está a regulação do ciclo menstrual.

A maioria dos medicamentos anticoncepcionais é utilizado hormônios provenientes da égua.

E não para por aí…

Para que o seu organismo feminino funcione de forma harmônica, é preciso que a relação entre a progesterona e o estrogênio – hormônios de ação importante – esteja equilibrada.

Além da utilização da pílula, alguns fatores da vida baseada em produtos ultraprocessados, estresse, alto uso de cosméticos, absorventes internos e outros verdadeiros venenos contribuem para que o estrogênio esteja sempre predominando.

Ocorre que a baixa quantidade de progesterona pode causar uma série de problemas na sua saúde, veja se não se identifica:

– mastalgia (dor nas mamas);

– tensão pré-menstrual;

– infertilidade;

– endometriose;

– ovários policísticos;

– miomas;

–  intensificação dos sintomas da menopausa;

– e baixa da libido.

É por isso que eu chamo essa predominância estrogênica de principal doença da mulher moderna.

Seu ponto G está no intestino

Mas, se você pensar, a medicina tradicional até oferece algumas alternativas para as doenças resultantes deste desequilíbrio citadas acima.

Mas para o impacto em sua vida sexual, cá entre nós, alguém parece se importar com isso?

Foi assim que eu resolvi pesquisar formas efetivas de ajudar as mulheres a recuperarem a qualidade da vida sexual, sem amarras e sem tabu.

Compreendi em minhas pesquisas que o tal ponto G, tão falado como o gatilho do prazer, pode estar mesmo no seu intestino.

Soluções que podem estar muito perto. Aí, na sua mesa.

Quer ver só como começar?

Uma alimentação balanceada e rica em fibras, exercícios físicos e emoções sob controle são o tripé da saúde da mulher. Os nutrientes podem te ajudar (e muito) a estimular a sua libido.

Sabe a máxima do apimentar a relação?

É verdade. O consumo diário de pimenta, como tempero de carnes e saladas, ajuda e muito. Salpique um pouquinho em todas as suas refeições. Aproveite, também, para reduzir o uso de sal refinado, aquele branquinho, que só provoca inchaços e diminuição do apetite sexual.

E sabe o óleo de coco? Ele pode ser o melhor lubrificante vaginal, sem risco de intoxicação, que ainda te protege contra dores recorrentes durante o ato.

Vamos falar muito mais sobre isso.

Eu prometo para você.

E antes que eu me esqueça, você deve estar se perguntando qual foi a mensagem que tanto mexeu com a minha amiga.

Ela, como a maioria das minhas pacientes, estava insatisfeita com a sua vida sexual. Estava até muito conformada, falando algo como “passou minha fase, sexo não é para mim”.

Eu respondi para ela que estava na hora de deixar de pensar só nas desculpas para não ter mais relações. O foco precisa estar nas soluções.

É nisso que eu me proponho e assumo o compromisso em te ajudar.

Gostou desse artigo?
Insira seu e-mail e comece já a receber nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural
Receba Já

*Não vamos distribuir seu e-mail

Insira seu e-mail e receba nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural: