Sua Saúde

As segundas-feiras deixam de ser fatais e o seu coração sobrevive

Olá leitor da lista exclusiva!

Muito bom te encontrar por aqui. Obrigado pela confiança e parabéns por ter dado este passo em direção a um presente mais saudável e um futuro mais produtivo.

Para começar a nossa série de encontros, resolvi aproveitar este início de feriado prolongado e fazer uma pergunta:

Levanta a mão aqui quem tem medo da segunda-feira?

Não se sinta mal caso tenha erguido o braço imediatamente.

Detestar este dia da semana é algo muito comum entre os meus pacientes. A maioria não sabe que o medo, em si, já indica que o coração de quem sente está em risco.

Digo isso porque, pesquisando, sinto te dizer:  trata-se mesmo de uma data fatal.

Vários estudos tiveram o propósito de avaliar se há relação entre infarto e segunda-feira. Um dos mais recentes, publicado no The European Journal of Epidemiology, mostrou que os homens têm risco 20% a mais de infartar neste dia da semana.

Nas mulheres, basta ser segunda-feira para as chances de ocorrência serem ampliadas em 15%.

Outra avaliação científica dos anos 2.000, feita com 80 mil homens e mulheres que morreram de doença cardíaca na Escócia, também endossou os riscos 20% maiores de infarto às segundas-feiras.

Os achados, veiculados no Britsh Medical Journal (BMJ), indicam que as mortes foram mais numerosas até mesmo nas pessoas que não tinham história prévia de doença cardíaca e estavam na casa dos 50 anos.

“Por que?”, você me pergunta.

Tenho duas hipóteses.

A primeira é que no final de semana, fazemos uma espécie de “intensivão” dos nossos maus hábitos e a fatura aparece em forma de infarto na segunda-feira.

Já a segunda hipótese está neste vídeo abaixo, em que eu trago alguma das respostas para o nosso coração doente, além de contar um pouco da minha história.

Espero que goste do vídeo.

E, amanhã, eu volto aqui para te revelar que na dieta queridinha da cardiologia existem dois grandes furos que, quando corrigidos, fazem seu coração rejuvenescer.

Caso prefira, transcrevemos o conteúdo do vídeo abaixo:

Meu nome é Carlos Schlischka e há 30 anos venho acompanhando a saúde de pacientes do sexo masculino que entram em meu consultório em um estado que eu chamaria de “o princípio de uma morte sofrida e gradual”.

É, meu caro…infelizmente eu tenho que dizer que os homens ainda morrem mais cedo do que as mulheres em TODAS AS FAIXAS ETÁRIAS.

Os motivos são vários: somos negligenciados por pesquisas, pelos sistemas de saúde e, muitas vezes, por nós mesmos.

É por isso que hoje eu estou aqui. Quero te inspirar a focar na sua saúde de forma integral assim como fui inspirado pelo meu avô – o primeiro médico a se estabelecer em uma pequena cidade do interior de Minas chamada Itamonte, na década de 30.

Como médico especialista em acupuntura e pós-graduado em medicina preventiva e regenerativa, quero que você me acompanhe na manutenção do seu bem-estar, da sua saúde e qualidade de vida.

Sim, a maioria dos homens se encontra à beira de um infarto fulminante.

Sabe por quê?

Porque os corações dos brasileiros estão doentes, maltratados pelos hábitos de vida e envelhecendo muito cedo. Lógico que não há coração que aguente o baque!

Se você fizer uma rápida pesquisa, vai verificar que as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte da população.

Se fizer outra busca, vai encontrar que a ciência já identificou uma arma para reverter esse dado. É a chamada dieta mediterrânea.

Mas, o que você não vai encontrar em nenhuma busca, são os furos que eu identifiquei nessa dieta e como eu a aprimorei ao cruzá-la com outras pesquisas científicas.

Vem comigo?

Vai ser um prazer acompanhar a evolução da sua saúde.

Até a próxima oportunidade.