Sua Saúde

Um medicamento que te adoece e um hormônio que só te favorece

 

Olá leitor da lista exclusiva, tudo bem?

Eu ainda me recupero do e-mail de ontem.

Não sei se chegou a ver, mas toda vez que olho para a minha estrada pelo retrovisor, há um misto de sensações.

Se por um lado há certo conforto com sabor de dever cumprido, por outro paira a constatação de que há muito, muito pela frente.

Ainda mais quando recebo e-mails do tipo que rechearam a minha caixa de entrada.

Em geral, são homens que agradecem por eu ter falado sobre temas tão cercados por tabus, por desinformação e por desatualização.

E-mails como este abaixo:

A saúde do homem não é acolhida por nenhum programa de saúde, revista ou site especializado. Sofremos anos em silêncio, com vergonha e vulneráveis aos medicamentos que prometem mundos e fundos e são cheios de efeitos colaterais. Fazer piada com um tema tão sério é só varrer o assunto para debaixo do tapete. E o engraçado é que quando alguém se propõe a falar sobre isso, sempre é muito questionado.”

Eu sei.

Trabalhar com a verdadeira saúde masculina não é fácil. Mas foi o projeto que eu escolhi para mim e agora te convido a caminhar junto comigo.

Porque os resultados são efetivos e a transformação duradoura.

Afinal, a hora é agora.

É o que você faz hoje que determina o quanto você estará presente no futuro.

É a sua escolha diária que abre uma oportunidade para você continuar forte, produtivo, autônomo, sem medo da idade e sem ser refém de doenças que te aprisionam.

Ter saúde, caro leitor, é ter liberdade.

E, honestamente, os pacientes quando chegam até mim não estão livres.

No mínimo, estão presos na desinformação.

Estatina, a ladra

Por exemplo.

Se você se preocupa minimamente com a saúde do seu coração, tenho certeza, já teve medo em algum momento do colesterol.

O colesterol é utilizado como um bedel da cardiologia. Sempre foi usado como parâmetro de risco de um infarto.

Toda está cultura do medo em torno do colesterol fomentou o sucesso de vendas a estatina, comprimidos usados para diminuir a taxa de colesterol e também para a prevenção de ataques cardíacos.

As estatinas são vedetes do mercado farmacêutico há anos. O crescimento de vendas, seja em momentos de crise ou não, é sempre em proporções incríveis.

Basta um exame de sangue dar alterado para o medicamento ser prescrito.

Porém, pasme. Em 50% dos casos, os infartados estavam com as taxas de colesterol normalizadas.

O estudo da fisiologia mostra, inclusive, que o colesterol alto é um reflexo protetor e não deletério.

Um índice elevado de colesterol pode indicar, por exemplo, desregulação na tireoide, nas taxas de insulina, presença de doenças renais e até mesmo desidratação. Ou seja, tratando estes pontos, reduz-se o colesterol e, aos poucos, a necessidade de estatinas.

Reduzir o uso deste medicamento é necessário por uma questão econômica, já que o uso continuado pesa no orçamento. E também porque já existe consenso entre os especialistas e órgão regulatórios de que os efeitos colaterais desta substância são MUITO importantes.

Só para citar um deles, fico no impacto cognitivo.

Sim, o início das demências, dos esquecimentos, das confusões mentais está associado ao uso de estatinas.

Não quero com isso estimular que você jogue fora este remédio por conta própria e se colocando em risco.

Mas sei que é preciso uma estratégia para equilibrar o organismo e minimizar os efeitos dos remédios. Por isso, dedico boa parte deste meu projeto, chamado Homem de Ferro, para te ajudar a desvendar e domar a saúde cardíaca.

Quer ver outro exemplo?

Se você se preocupa com as suas memórias e com o seu cérebro, eu preciso que você conheça a ação de um hormônio especial.

Gravei um vídeo abaixo sobre ele.

Espero que você goste.

E amanhã te convido a voltar aqui.

Estamos chegando em uma etapa decisiva do nosso caminho.

E sinto que nós, eu e você, estamos prontos para algumas revelações e para firmar alguns compromissos.

Você consegue lembrar de como era o seu organismo quando tinha 30 anos?

O que você fazia que não faz mais?

Amanhã eu trago as respostas.

E agora veja no vídeo o nome do hormônio protetor do seu cérebro.

Abraço.

Para quem preferir, transcrevi aqui o conteúdo do vídeo acima:

Eu entendo que esquecemos das coisas uma vez ou outra.

No entanto, a frequência desses lapsos de memória que é preocupante.

Pra você ter uma ideia, já não é de hoje que ouço dos meus pacientes a preocupação relacionada à capacidade cognitiva.

O desassossego é tamanho que esse assunto representa cerca de 80% das queixas em meu consultório.

Para a medicina tradicional, nada ou muito pouco pode ser feito.

Na maioria dos casos, isso é diagnosticado como “problemas da idade”.

Mas a verdade é que existem fortes evidências de que esse declínio mental não é inevitável.

Existe um hormônio, muito pouco compreendido, que pode ser a resposta que você procura para preservar a saúde do seu cérebro

Ele é conhecido como pregnenolona e é encontrado em abundância no nosso cérebro.

O nome é estranho mas ele nada mais é do que um poderoso hormônio esquecido no tempo.

Como assim, esquecido no tempo?

É, meu amigo… pra resumir, na mesma época em que um artigo desse hormônio foi publicado, provando sua ação no tratamento de doenças relacionadas ao processo de envelhecimento, foi descoberto também o Cortisol, muito lucrativo para a indústria farmacêutica.

Deu pra entender agora o motivo pelo qual ele foi, digamos, “deixado de lado”?

Mas ele não foi abandonado por mim.

Por isso, digo e afirmo que é possível fazer sua reposição para estimular a formação de novos neurônios e hormônios essenciais para que você tenha uma vida saudável.

E você pode fazer parte dessa nova proposta.

Até mais.