Engolir sapo pode estar acabando com as suas memórias

Maior Menor
Avatar

Leopoldo Rosa

Head de conteúdo

14 julho 2021

Head de conteúdo da Jolivi

Engolir sapo no trabalho pode estar prejudicando sua memória! Um mecanismo do corpo faz com que todo o estresse se converta em algo terrível. Saiba como evitar

*Colaborou Giovanna Tavares

Houve um tempo nas empresas em que a máxima do “manda quem pode e obedece quem tem juízo” era a lei irrevogável. Assim, muitos de nós saíamos da sala do chefe com o rosto vermelho, lábios tremendo e muita vontade de largar tudo e ir embora. No popular, é o que a gente chama de “engolir sapo”. E haja sapos por aí, não é mesmo?

Por sorte, as coisas mudaram. Hoje, nas empresas modernas, essa regra não é mais tão bem vista e você pode manifestar opiniões e contrariedades sem medo de perder o emprego. Mas ainda tem gente que engole muito sapo e, sem perceber, prejudica a própria saúde por causa disso.

Fui conversar com o neurocientista Nelson Annunciato, do Conexão Cérebro, sobre este assunto.

O doutor Nelson explica que, em situações de muito estresse, nosso corpo se arma para a briga e, para isso, aumenta a nossa produção de adrenalina e de cortisol — além de aumentar nossa frequência cardíaca e respiratória (o que nos dá aquela respirada mais profunda, sabe?).

Aí vou tentar traçar um paralelo entre a explicação do doutor Nelson e os nossos sapos diários. O cortisol é o nosso sapo. Se ele se mantém alto todos os dias, por um longo período e sendo engolido por nós passivamente, ele se torna neurotóxico.

No longo prazo, o cortisol se torna neurotóxico — e engolir este sapo não é nada bom.

O que isso quer dizer: aquele sapo que a gente engole do chefe, do colega (até na família!) começa a diminuir nossos hipocampos — que são a porta de entrada para a formação de novas memórias. A longo prazo, nós podemos ter essa memória prejudicada pela diminuição do hipocampo — é como se cada vez eu tivesse menos espaço para que elas entrem no cérebro.

Conheça a primeira solução natural capaz de regredir lapsos de memória, esquecimentos e até mesmo o Alzheimer.

A solução? Colocar esse cortisol (e esses sapos) para fora.

Aqui, uma ressalva: não estou dizendo para você berrar com seu chefe, bater a porta e pedir demissão. Afinal, adultos que somos, já temos outras ferramentas para resolver nossos problemas, certo?

Por outro lado, não é saudável para seu corpo nem para sua carreira deixar de falar. Peça um momento a sós e explique como se sente — não acuse a pessoa de ter te feito algo, não vá para o ataque dessa maneira, mas diga a ela como você tem se sentido a partir do que tem acontecido. Deixe claro que está procurando-a porque quer ajuda, não julgamento.

A conversa vai te ajudar a não acumular esse cortisol todo e pode, de quebra, resolver o que causa o conflito. Pode parecer mentira mas, muitas vezes, as pessoas estão tão inseridas em seus próprios problemas que não se dão conta do que causam nas outras. É aí que entra a importância do diálogo.

SOBRE O AUTOR

Jornalista desde 2010, formado pela Universidade São Judas Tadeu. Foi head de conteúdo da Rádio Globo e chefe de reportagem e apresentador da Rádio CBN. Também passou pela TV Globo, CNN Brasil e Editora Abril. Se especializou em gestão de negócios pela Fundação Dom Cabral e tem MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional B3.

Avatar

Leopoldo Rosa

Head de conteúdo

14 julho 2021

Head de conteúdo da Jolivi

Conteúdos Relacionados