Dieta cetogênica: 4 passos e receitas para começar

Maior Menor
Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Médico Cirurgião e Especialista em Nutrologia

CRM: 38531-SP

18 maio 2021

Com mais de 20 anos de experiência. Uma das maiores autoridades em Saúde Natural, palestrante de congressos nacionais e internacionais, faz pesquisas na área e ainda tem ligação direta com uma parte importante da História da Alimentação.

O médico e especialista da JOLIVI, Dr. Naif Thadeu, explica que a dieta cetogênica emagrece e ajuda a melhorar doenças como diabetes e Alzheimer; entenda como começar o processo

 

Será que você se enquadra no grupo de brasileiros que ganharam peso durante a pandemia?

É muito provável que sim. 

Uma pesquisa do Nupens (Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP) mostrou que 1 em cada 5 brasileiros teve um aumento de ao menos 2 kg no peso corporal durante o confinamento.

Já o estudo Diet & Health Under Covid-19, do Instituto Ipsos, colocou o Brasil como o país que mais ganhou quilos extras no último ano.

Isso não é nenhuma surpresa. Afinal, ficamos reclusos e mais sedentários, sem necessariamente comer menos, o que, por si só, já é capaz de alterar os ponteiros da balança. 

Fora casos de pessoas que, no auge da ansiedade ou depressão, enfrentaram quadros sérios de compulsão alimentar.

Por isso, eu gostaria de te propor um desafio: que tal tentar reverter essa situação com a adoção de uma estratégia alimentar verdadeiramente saudável?

Veja que estou falando estratégia, e não dieta.

É dessa forma que eu enxergo a cetogênica, a alimentação que considero perfeita para nós, seres humanos; não como uma mera dieta, dessas que você faz por um ou dois meses e depois desiste.

A cetogênica é, sim, capaz de: 

  • Emagrecer;
  • Melhorar o diabetes;
  • Regular o intestino;
  • Prevenir o câncer; e
  • Atenuar os sintomas do Alzheimer.

O Alzheimer já é reconhecido como diabetes tipo 3 e nada mais é do que a resistência insulínica cerebral, ou seja, uma doença inflamatória.

Veja só: a proteína beta-amiloide, em altas concentrações, funciona como uma espécie de “sujeira” no cérebro, afetando a nossa capacidade de recordar.

E pesquisas mais recentes indicam que a glicose elevada no sangue pode aumentar rapidamente os níveis de beta-amiloide, abrindo o caminho para todos os fenômenos cerebrais que resultam na perda de memória e funções cognitivas.

Além disso, a resistência insulínica cerebral compromete a comunicação entre os neurônios, o que também agrava a doença.

Por isso, a cetogênica é mais do que uma dieta para reduzir medidas. 

É a estratégia que vai te levar para o futuro, com saúde e independência, sem que você se veja acometido por uma lista de doenças e suas respectivas drogas controladas.

Se você está pronto para encarar esse desafio, te convido a anotar todas as dicas abaixo para começar a cetogênica o quanto antes.

Não precisa esperar a segunda-feira chegar. Faça tudo hoje mesmo!

 

4 passos para começar a cetogênica

 

Nas lives e em meus plantões de dúvidas do Protocolo Contra o Diabetes, muitos repetem a mesma pergunta: Doutor, como eu devo fazer a cetogênica? 

Sem uma organização prévia, fica realmente difícil, eu sei. Por isso, preparei algumas dicas que você pode seguir, por conta própria ou com a ajuda da sua família. Vamos lá?

 

PASSO 1

Faça uma faxina na sua despensa, geladeira e freezer. A ideia é que você não tenha ao alcance das mãos e da boca alimentos que estão proibidos na cetogênica, para não cair em tentação. 

São eles: industrializados e ultraprocessados, pães, massas, açúcar, sucos (naturais ou prontos), bolachas, sobremesas, congelados, leite e derivados, molhos prontos e por aí vai.

Se precisa desembalar, provavelmente não é saudável e não entra na cetogênica.

PASSO 2

Não se esqueça de limpar muito bem os armários e a geladeira onde os alimentos estavam armazenados. 

O glúten tem alto poder de contaminação, assim como o cigarro, e pode permanecer no ambiente mesmo depois de você descartar o alimento de origem (pão, macarrão, tortilha e produtos do gênero).

Se você quer se prevenir de todos os malefícios do glúten (as doenças autoimunes pioram muito com o glúten, saiba disso), não abra mão dessa descontaminação da sua casa.

 

PASSO 3

É hora de ir às compras. Você pode pedir uma lista ao seu médico ou nutricionista dos alimentos permitidos, ou anotar algumas das minhas sugestões.

Esse é um exemplo de lista de compras que eu mesmo realizo regularmente.

  • Carnes de todos os tipos;
  • Hortaliças verde-escuras;
  • Legumes de baixo índice glicêmico, como: chuchu, abobrinha, vagem, aspargos, brócolis, couve-flor, palmito, berinjela, quiabo, nabo, couve-de-bruxelas…
  • Cogumelos shimeji e shitake;
  • Óleo de coco ou banha de porco;
  • Oleaginosas;
  • Azeite de oliva extravirgem.

Óleo de coco ou banha de porco são essenciais para o preparo dos alimentos, ou seja, para grelhar uma carne, refogar ou empanar um legume e por aí vai.

O azeite só se come à mesa, na finalização de um prato ou de uma salada, e nunca deve ser utilizado para cozinhar, combinado?

Você acaba de ganhar o Livro Diabetes Zero!

O segredo para você reverter a sua glicemia alta está no Livro Diabetes Zero que você acabou de ganhar de presente.

Clique aqui para garantir o seu exemplar físico

PASSO 4

Despensa organizada, compras feitas. É hora de definir O QUE comer e QUANDO comer.

Para isso, prepare um cardápio semanal, com uma carne diferente para cada dia da semana, com os devidos acompanhamentos. Te ajudo com isso também.

  • Segunda-feira: carne de vaca;
  • Terça-feira: carne de porco;
  • Quarta-feira: carne de frango;
  • Quinta-feira: miúdos;
  • Sexta-feira: peixe;
  • Sábado: frutos do mar;
  • Domingo: carnes exóticas.

Essa é a minha organização semanal de carnes, a sua pode ser diferente. O importante é que você consuma carnes e gorduras de boa qualidade todos os dias, variando sempre que possível.

De acompanhamento, você pode preparar os legumes que indiquei no passo anterior, sempre acompanhados de uma gordura: eles podem ser refogados, finalizados com azeite, empanados com farinha de amêndoas (ou outra oleaginosa de sua preferência) e até assados.

E nunca, em hipótese alguma, utilize papel toalha para absorver a gordura dos alimentos. 

Deu água na boca? Por aqui, confesso que deu. A cetogênica está longe de ser uma alimentação sem graça e insossa.

Com as receitas certas, então, cozinhar vira até um hobby. No meu Protocolo Contra o Diabetes , eu disponibilizo uma série de receitas saborosas e cetogênicas para quem deseja ir além do convencional.

É tudo muito, muito fácil de preparar. Ou seja, você não tem desculpa para não entrar nesse desafio.

É alta gastronomia, capaz de te ajudar com muito mais do que uma simples redução de medidas.

Depois, conte para nós como a sua saúde foi favorecida pela cetogênica.

Um abraço,

Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Médico Cirurgião e Especialista em Nutrologia

CRM: 38531-SP

18 maio 2021

Com mais de 20 anos de experiência. Uma das maiores autoridades em Saúde Natural, palestrante de congressos nacionais e internacionais, faz pesquisas na área e ainda tem ligação direta com uma parte importante da História da Alimentação.

Conteúdos Relacionados