Buscar

A curiosa relação entre saúde da próstata e intestino

Maior Menor
Denise de Carvalho

Especialista: Denise de Carvalho

Médica e Especialista em Gastroenterologia

CRM: 14.558/SP

12 novembro 2020

Médica e Especialista em Gastroenterologia formada na PUC de Campinas em 1998, com especialização em Gastroenterologia pelo hospital Clínic de Barcelona, Cirurgia e Endoscopia Digestiva pela USP. Atua com Medicina Baseada na Individualidade, com olhar sobre o paciente (mente e corpo) e não somente na doença. Também é idealizadora do COINEMA - 1º Congresso Internacional de Emagrecimento On-line.

Há algumas semanas, trouxe para este espaço a verdade sobre as campanhas Outubro Rosa e as reais estratégias de prevenção ao câncer de mama.

Já hoje, quero abordar o Novembro Azul.

Sim, o assunto de hoje é próstata e não pense você que o assunto não me compete. Pelo contrário, eu tenho muitas razões para querer te dizer essas coisas.

A começar que a medicina que eu aprendi e pratico não é exclusiva para mulheres. E mais, minha especialidade, os intestinos, tem conexões com o câncer de próstata.

Portanto, se você é mulher, prossiga a leitura. Não tenho dúvidas de que este conteúdo vai ajudar seu companheiro, seu irmão, pai, primo…

… já se você for homem, respire fundo: eu vou mexer com a sua próstata.

 

Conteúdos relacionados:

 

O que é Novembro Azul?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, que você pode conhecer também como INCA, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os brasileiros.

Em 75% dos casos registrados no planeta, o indivíduo em questão tem mais de 65 anos. Ou seja, é um tipo de câncer considerado da terceira idade.

Em 2018, ainda se segundo o INCA, foram 15.576 mortes em território nacional.

A campanha Novembro Azul, assim como o Outubro Rosa, mobiliza famosos e anônimos, lacinhos e iluminações públicas e traz à tona duas verdades:

  • A falta de hábito do homem brasileiro em cuidar da própria saúde;
  • Apenas realizar o tal do “exame do toque” não salva vidas.

Eu te pergunto, então: qual seria o principal objetivo de uma campanha como Novembro Azul?

Reduzir o número de mortes masculinas por câncer de próstata, não é mesmo?

Quando você compara as taxas de mortalidade dos homens que participam das chamadas campanhas de rastreamento com as dos que não participam, entretanto, não há diferença nos índices.

Sim, as pesquisas estão reforçando que, da forma como são organizadas hoje, as indicações de realização dos exames não produzem efeitos que impeçam esses homens de morrer.

O problema é que parece existir uma imensa resistência em admitir ou, ao menos, discutir isso.

A prevenção precisa acontecer antes mesmo que novembro chegue e se repita, ano a ano.

Agora, eu quero te mostrar como o cuidado com a sua saúde intestinal pode — e deve, meu caro senhor — fazer parte do seu combo de estratégias de prevenção ao câncer de próstata.

Olha como essa próstata diminuiu

Se você é homem e já passou dos 50, precisa conhecer esse método que combate o inchaço da próstata e todos os seus problemas: sensação de aperto, idas infinitas ao banheiro…

Quer conhecer este método natural? Clique aqui

A saúde da próstata está conectada ao seu intestino

Alguns estudos já apontam que a microbiota intestinal (o conjunto de todos os seres, incluindo as bactérias boas, que habitam seu órgão) pode influenciar na formação de tumores prostáticos por meio de mecanismos diretos ou indiretos.

Podemos afirmar que, de uma forma direta, esse tipo de câncer, que tem tirado a vida — e até mesmo a tranquilidade — de alguns brasileiros, está relacionado a inflamações recorrentes do trato urinário, como prostatites crônicas e hiperplasia prostática benigna.

Indiretamente falando, a microbiota intestinal influencia os processos metabólicos do seu organismo e, também, a sua inflamação sistêmica. Esses dois mecanismos funcionam como gatilhos que desencadeiam o surgimento dos tumores.

Por mais que a composição da microbiota dependa de fatores genéticos e ambientais, como dieta, localização geográfica, exposição às toxinas, hormônios e antibióticos, é possível que a microbiota seja um elo perdido em muitos patógenos cancerígenos.

A literatura atual demonstra que a inflamação crônica sistêmica e a modulação do sistema imune são os principais mecanismos que a microbiota intestinal propaga o risco de câncer de próstata.

Um desenho do intestino no fundo rosa

Você sabia que a sua microbiota pode ou não contribuir para o surgimento de um câncer?

É o que afirma o estudo “O microbioma humano e sua ligação com o risco de câncer de próstata e patogênese” publicado em agosto deste louco ano de 2020, no periódico especializado Infectious Agents and Cancer, do BioMed Center.

Os pesquisadores envolvidos na análise, que fazem parte da College of Health Sciences Makerere University, em Uganda, afirmam que a microbiota desempenha uma infinidade de funções.

Entre elas estão o metabolismo dos compostos dietéticos, a proteção contra a colonização de bactérias patogênicas e a manutenção do equilíbrio inflamatório do hospedeiro.

Tente imaginar que seu intestino é a grande fronteira entre o mundo exterior e o seu mundo interior.

As paredes desse órgão e a microbiota são a sua Polícia Federal, controlando a entrada dos estrangeiros — ou seja, de tudo aquilo com potencial de te adoecer.

Os cientistas ainda afirmam que “a ligação entre a microbiota intestinal e o câncer é bidirecional”, ou seja, o câncer pode alterar a composição da microbiota, enquanto a microbiota pode afetar a resposta dos cânceres.

Veja só.

De acordo com o estudo, existem vários mecanismos pelos quais se acredita que a microbiota contribui para o surgimento de um tumor prostático, por exemplo. Entre eles estão a inflamação crônica e modulação imunológica.

Uma bactéria que come gordura abdominal?!

Você sabe qual é a principal diferença entre uma pessoa gorda e magra? Não. Não é a quantidade de calorias. É a quantidade de bactérias EMAGRECEDORAS que devoram a gordura abdominal.

Clique aqui para saber mais

O que pode alterar a microbiota?

Veja alguns exemplos:

  • Antibióticos e anti-inflamatórios não esteroides.

Quantas vezes, no último mês, você tomou um deles? O uso de antibióticos causa perda rápida e profunda da diversidade de bactérias intestinais.

  • Uso de drogas que inibem a produção de ácido clorídrico no estômago, como os prazóis.

Amigão, eu sei que você, ao menor sinal de desconforto intestinal, recorre a essa medicação. E sabe quem tem culpa no cartório também? A cervejinha das 18h.

  • Toxinas da dieta, como trigo, óleos de sementes industrializados, corantes, conservantes, agrotóxicos, xenobióticos, que causam intestino inflamado.

Aqui, leitor, eu quero que pense não só na cerveja, mas nos processados que acompanham os happy hours, os churrascos e aquilo que você belisca enquanto assiste o time do coração aos domingos.

  • O sedentarismo que reduz a motilidade do sistema digestivo.

Quando foi o último dia que você praticou uma atividade física? Eu sei que, por enquanto, o futebol entre casados e solteiros anda cancelado, mas já pensou em praticar 30 minutos de esteira diariamente? Seu coração, sua próstata e o seu time agradecem.

Os alimentos que ajudam a manter a microbiota saudável

Percebe, querido leitor, como o seu estilo de vida moderno está, não só matando o seu intestino, mas também atacando a sua próstata dia a dia, a cada hábito ruim para a sua saúde?

Por isso, recomendo que você coloque em sua rotina alimentar os fermentados, como kefir, chucrute, kombucha, kimchi, nattô, missô.

Um copo de kefir e uma colher

Kefir é um dos alimentos que ajudam a manter a microbiota anticâncer

Antigamente, a fermentação de alimentos era realizada para que eles durassem mais, afinal, nossos antepassados não tinham geladeiras.

Entretanto, durante a fermentação, são produzidas substâncias de atividade microbiana, como o etanol, os ácidos orgânicos e as bacteriocinas.

Atualmente, sabemos que esses alimentos fornecem benefícios à saúde por conta da presença de micro-organismos em equilíbrio.

Além disso, alguns ativos indesejáveis nos alimentos podem ser inativados durante o processo de fermentação, melhorando a digestibilidade do alimento.

Mais estudos precisam ser realizados para determinar todos os benefícios dos fermentados, embora a experiência popular já esteja demonstrando seus benefícios com o consumo regular.

Outra dica é o brodo que pode também ser chamado de caldo de ossos.

Essa preparação, quando incluída na sua rotina alimentar, vai ajudar na recuperação da sua saúde intestinal.

Receita de caldo de ossos para uma microbiota saudável

Ingredientes: água, ossos de animais orgânicos, vinagre de maçã, cebolas picadas, alhos amassados, sal integral, pimenta a gosto e outros temperos de sua preferência.

Modo de fazer: Em uma panela, coloque todos os ingredientes e adicione a água até cobrir tudo. Deixe por aproximadamente uma hora de repouso. Acenda o fogo e deixe ferver. Depois, cozinhe por entre 12 e 24 horas. Para consumir, retire as partes sólidas.

Quanto mais tempo de cozimento, mais sabor e nutrientes. É possível também congelar o caldo por até cinco dias.

Portanto, eu proponho que, nesse Novembro Azul você passe a cuidar da sua saúde intestinal também.

Mantendo o seu organismo longe de inflamações crônicas, de diversas formas de desequilíbrios e mantendo a sua microbiota intestinal saudável, as chances de a sua próstata permanecer blindada aumentam diariamente.

Referências bibliográficas:

Denise de Carvalho

Especialista: Denise de Carvalho

Médica e Especialista em Gastroenterologia

CRM: 14.558/SP

12 novembro 2020

Médica e Especialista em Gastroenterologia formada na PUC de Campinas em 1998, com especialização em Gastroenterologia pelo hospital Clínic de Barcelona, Cirurgia e Endoscopia Digestiva pela USP. Atua com Medicina Baseada na Individualidade, com olhar sobre o paciente (mente e corpo) e não somente na doença. Também é idealizadora do COINEMA - 1º Congresso Internacional de Emagrecimento On-line.

Conteúdos Relacionados