Cultivo de cannabis para fins medicinais é aprovado no Brasil

Maior Menor
Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

8 junho 2021

Editor

O projeto foi aprovado nesta terça-feira (8) na Câmara de Deputados, em Brasília, e deve seguir para o plenário – se aprovado, vai ao Senado

Após um empate de 17 votos favoráveis e 17 contrários, a Comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (8) a liberação do cultivo, por empresas, da cannabis para fins medicinais e industriais.

O desempate coube ao relator da matéria, o deputado Luciano Ducci (PSB-PR), que votou favorável ao texto. Anteriormente, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já havia dito que vetaria o Projeto de Lei 399/15 caso ele fosse aprovado.

Aprovado em comissão especial da Câmara dos Deputados, ele deve seguir para o plenário e, se passar nesta etapa, vai para o Senado.

A cannabis sativa é a planta que dá origem à maconha. Ela é usada em larga escala mundial para fins medicinais e tem respostas positivas em tratamentos de doenças como o Alzheimer.

Inicialmente, o texto aprovado data de 2015 e trazia uma proposta que alterava a Lei Antidrogas. A intenção no princípio era apenas autorizar a venda de medicamentos oriundos da erva no Brasil. Porém, o relator apresentou uma mudança e, agora, ele prevê o uso medicinal, veterinário, científico e industrial.

Se aprovado em definitivo, o atual projeto permitirá o cultivo da cannabis em todo o território brasileiro. As mudas e sementes, entretanto, deverão ser certificadas junto aos órgãos sanitários federais.

De acordo com o texto validado pela Câmara nesta terça, o ““cultivo, processamento, pesquisa, armazenagem, transporte, produção, industrialização, manipulação, comercialização, importação e exportação de produtos à base de cannabis” está permitido.

O Dr. Wilson Rondó Jr., médico da Jolivi, conta que superou os próprios preconceitos quando estudou as evidências de que comprovam a eficácia da cannabis medicinal. No Remédio Natural, ele traz todas as informações e pesquisas científicas sobre o assunto.

Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

8 junho 2021

Editor

Conteúdos Relacionados