Buscar

Parkinson: prevenção à doença que atinge 200 mil brasileiros

Maior Menor
Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

12 abril 2021

Editor

O parkinson, considerado a segunda doença neurodegenerativa progressiva mais frequente no mundo, conta com a saúde natural como aliada no seu controle

A população envelhece cada vez mais. A expectativa de vida no Brasil – e em outros países do mundo – aumenta. Mas viver mais sem cuidar da saúde pode ser o gatilho para o aparecimento de doenças que atingem em cheio quem já passou dos 70, como é o caso do Parkinson. Cerca de 200 mil brasileiros vivem com a doença e a saúde natural tem alternativas eficientes de tratar e prevenir o Parkinson para além dos remédios tradicionais. 

O dia 11 de abril é o Dia Mundial de Conscientização da Doença de Parkinson. A enfermidade foi descoberta há mais de 200 anos e é considerada a segunda doença neurodegenerativa progressiva mais frequente no mundo. Perde apenas para o Alzheimer.

O parkinson é crônico e progressivo. Ou seja, não tem cura e pode piorar pouco a pouco se não for tratado. Ele afeta funções primordiais do corpo, como os movimentos e o equilíbrio, causa lentidão na mobilidade, tremores, diminuição dos reflexos, além de efeitos como depressão, alteração do sono, entre outros. 

Basicamente, o Parkinson corrompe o sistema nervoso central. Ele faz com que a transmissão de mensagens entre as células nervosas seja comprometida. O uso de suplementos pode auxiliar atenuando esses sintomas e consequências. 

Combatendo o Parkinson com 9 remédios naturais 

Se você conhece alguém que sofre com a doença de Parkinson, precisa se atentar a essas dicas da saúde natural. Selecionamos 8 indicações fundamentais para o controle da enfermidade e para a qualidade de vida do paciente.

  • Canabidiol – Estudo brasileiro apontou que o CBD mostrou eficácia em melhorar a qualidade de vida e bem-estar geral em pacientes com Parkinson.
  • NADH – Tem um papel importante no trabalho das mitocôndrias, a casa de força de cada uma das células, melhorando 80% dos casos de parkinson.
  • Coenzima Q10 (COQ10) – Melhora as funções cognitivas, regula as funções das mitocôndrias e facilita a síntese de energia nos pacientes com Parkinson.
  • L-Carnitina – Pode ajudar no rejuvenescimento celular, fazendo com que a célula volte a produzir de energia.
  • Ácido málico – Aliado da produção de energia celular e auxilia as mitocôndrias a permanecerem vivas e em movimento.
  • Pirroloquinolina Quinona – Ajuda na criação de novas mitocôndrias, prevenindo o envelhecimento precoce e doenças degenerativas.
  • Atividade física – Faz bem para o corpo e para a mente e evita o estresse oxidativo.
  • Vitamina K2 – Participa da formação da bainha de mielina, que é a estrutura que melhora a comunicação dos neurônios.
  • Complexo E – Ajuda na prevenção da morte dos neurônios e, quando ativado por alguns alimentos funcionais, tem ações antioxidantes.

Maconha medicinal como tratamento natural para Parkinson

No ano de 2014, a Universidade de São Paulo (USP) reconheceu os benefícios do canabidiol (CBD) para o tratamento de pacientes com Parkinson.

Para o “tratamento”, os cientistas utilizaram canabidiol em forma de pó (e sem traço de THC, que é a substância que provoca os efeitos psicoativos da maconha).

Os resultados, publicados naquele ano no Journal of Psychopharmacology dão conta que o canabidiol foi efetivo para melhorar a qualidade de vida e o bem-estar geral dos pacientes e, conforme destacou o coordenador da pesquisa à época, sem efeitos colaterais.

No Brasil, há médicos que estão autorizados a prescrever a maconha medicinal como tratamento. Associações como a ABRACE Esperança promovem essa “ponte” entre pacientes e profissionais de saúde.

Como encontrar os nutrientes contra Parkinson nos alimentos

Além dos suplementos em cápsulas existentes, que são de uso ainda mais necessário em casos já diagnosticados, os alimentos são uma porta de entrada para a absorção de boa parte dos nutrientes. Quando bem consumidos, ajudam na prevenção e controle do Parkinson. 

Então, atenção onde encontrar cada um deles:

O NADH está, em concentrações menores, em alimentos lácteos (os de vacas A2A2), peixes, carnes, fígado bovino, nozes, ovos e vegetais verdes. Já a coenzima Q10 você pode encontrar no pistache, brócolis, couve-flor, espinafre, cebola, atum e salmão.

Os melhores alimentos para absorver a L-carnitina são as carnes, ovos, peixes pequenos, abacate e castanhas. 

O ácido málico está na maçã e banana. Enquanto isso, a pouco conhecida pirroloquinolina quinona (PQQ) é absorvida no ovo, leite materno, kiwi, pimentão verde, espinafre, cenoura, repolho e tomate.

Você vai encontrar a vitamina K2 nos alimentos fermentados, carne de cordeiro ou pato, fígado bovino e peru de carne escura. Por fim, o complexo E está no azeite de oliva extravirgem, vegetais verde-escuros, gema de ovo, fígado e semente de girassol.

Atenção

Se você não tem a oportunidade de encontrar um médico de saúde natural ou integrativa, leve essas alternativas naturais ao seu médico de confiança e veja o tratamento que mais se encaixa no seu caso.

 

Referência:

 

  • Conexão Cérebro, com Dr. Nelson Annunciato
  • Kuhn W, Müller T, Winkel R, Danielczik S, Gerstner A, Häcker R, Mattern C, Przuntek H. Parenteral application of NADH in Parkinson’s disease: clinical improvement partially due to stimulation of endogenous levodopa biosynthesis. J Neural Transm (Vienna). 1996;103(10):1187-93. doi: 10.1007/BF01271203. PMID: 9013405;
  • https://www5.usp.br/noticias/saude-2/novo-tratamento-com-canabidiol-e-eficaz-em-pacientes-de-parkinson/

 

 

Pedro Bezerra Souza

Pedro Bezerra Souza

12 abril 2021

Editor

Conteúdos Relacionados