Buscar

Chá para diabetes: 5 ervas para controlar naturalmente a glicemia

Maior Menor
Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Médico Cirurgião e Especialista em Nutrologia

CRM: 38531-SP

23 fevereiro 2021

Com mais de 20 anos de experiência. Uma das maiores autoridades em Saúde Natural, palestrante de congressos nacionais e internacionais, faz pesquisas na área e ainda tem ligação direta com uma parte importante da História da Alimentação.

A natureza é sempre o melhor caminho para auxiliar a cura, não é mesmo? 

Por isso, trazemos 5 dicas de chá para diabetes para todos aqueles que desejam outras alternativas além dos tratamentos tradicionais com remédios sintéticos.

É comum pensarmos que o diabetes é uma doença irreversível, afinal as informações que veiculam pelas mídias tradicionais nos assustam e oferecem  métodos limitados. 

E nós da Jolivi, que buscamos seguir na contramão desse sistema, viemos informar você sobre ervas benéficas para nosso corpo, aquelas conhecidas como plantas medicinais. Mas, lembramos que mesmo o chá para diabetes oferecendo grandes melhorias, a combinação com  exercícios físicos regulares e uma dieta adequada é extremamente importante para que o os resultados sejam mais eficazes!

O ciclo do diabetes

Atualmente, o maior problema dos diabéticos é iniciar um ciclo sem fim com os remédios.

Após a constatação da doença, se inicia o tratamento e indicação da medicação, porém, nem sempre esses tratamentos produzem bons resultados.

Dessa forma, a longo prazo, os remédios deixam de ser eficazes e as doses são aumentadas.

E o ciclo continua: para cada novo sintoma, uma nova pílula. Provocando uma dependência cada vez maior dos químicos e consequentemente, maiores gastos. 

Conteúdos relacionados:

 

A Jolivi não indica a automedicação, tampouco o abandono de tratamento. 

Tudo o que é sugerido aqui deve ser discutido com o seu médico de confiança, que deve estar disposto a pensar com você as alternativas de acordo com suas necessidades.

Contudo, aqui buscamos informar sobre soluções naturais e efetivas que estão a seu alcance.

Chá para diabetes são mais facilmente encontradas, além de proporcionarem redução nos custos do tratamento de pacientes diabéticos.

As plantas medicinais, aqui utilizadas em chá para diabetes, são terapias que atuam conjuntamente com terapias convencionais.

Portanto, antes de te apresentarmos 5 plantas mais indicadas no chá para diabetes, é urgente que falemos também sobre os efeitos colaterais dos remédios antidiabéticos.

Os efeitos colaterais dos remédios para diabetes

O diabetes se se categoriza como um distúrbio crônico, afetando o metabolismo de absorção de carboidratos, gorduras e proteínas devido a deficiente secreção de insulina

Ou seja, o diabetes é uma condição onde o organismo perde parcialmente o poder de “queimar”  os açúcares dos alimentos ingeridos. E por isso, o açúcar que não é queimado acumula-se no sangue e não se transforma em energia

Os tratamentos convencionais para esses sintomas em geral são realizados com remédios sintéticos como por exemplo a Insulina, Metformina, Glibenclamida, Glimepirida e Liraglutida. 

Entretanto, além do ciclo sem fim que já citamos neste artigo, estes remédios podem causar efeitos colaterais como aumento ou perda de peso, náuseas, diarreia e hipoglicemia.

Estudos acadêmicos também buscaram entender possíveis relações entre a utilização da insulina no controle de glicemia com o aumento de incidência de casos de infarto.  

Como é o caso do estudo ACCORD, realizado pelo governo do Reino Unido, que concluiu não ser recomendável utilizar estratégias tão intensivas de tratamento glicêmico em pacientes com alto risco cardiovascular, devendo-se adotar metas mais modestas.

Não é estranho que uma medicação vendida para te proteger, na verdade, pode acelerar a sua morte?

Outro estudo realizado em 2010, pela agência de regulação dos Estados Unidos, a Food and Drug Administration (FDA) também decidiu investigar uma droga muito indicada para quem tem diabetes, o Avandia.

Segundo a pesquisa, entre 1999 e 2007, estima-se que o Avandia tenha protagonizado mais de 83 mil ataques cardíacos.

Além disso, ele estava relacionado a um risco de 43% maior de ataque cardíaco e 64% de morte por risco cardiovascular em comparação com pacientes tratados com outros métodos.

É um preço muito caro por uma doença que poderia ser tratada também de forma mais branda e natural.

Não queremos te assustar ou causar alarde. Nossa intenção é mostrar que o caminho dos remédios sintéticos não é o único para tratamento do diabetes.

Você é diabético ou pré-diabético?

Já pensou em baixar a glicemia em 3 dias? Eliminar a dependência de remédios? Se sim, confira o sistema natural de 3 etapas capaz de prevenir, combater e reverter o Diabetes

Clique aqui para conhecer este sistema

Dito isso, falaremos agora sobre as plantas medicinais mais indicadas para se fazer receitas de chá para diabetes. 

As receitas desses chás para diabetes mostraram efeitos muito poderosos para baixar o açúcar no sangue, controlar o peso e ainda estimular as atividades das células pancreáticas.

Chá para diabetes: como as ervas auxiliam?

As ervas naturais são utilizadas nas curas de doenças desde os primórdios da humanidade, as gerações passadas de nossas famílias desde sempre transmitiram os conhecimentos sobre as plantas e suas potencialidades curativas.

O uso de plantas naturais como terapia alternativa é muito difundido em nosso país, isso se deve, principalmente, devido a grande parte da população não ter acesso à assistência médica ou condições de bancar o alto custo dos tratamentos convencionais 

Alguns estudos acerca das plantas medicinais vêm sendo realizados para tentar compreender quais são os mecanismos de ação e princípios ativos das plantas, entre elas as que exercem efeito hipoglicemiante.

Os resultados mostram que esses mecanismos auxiliam na diminuição da absorção de glicose no intestino, além de atuarem sobre células do pâncreas com estimulação na secreção de insulina e também na proteção do pâncreas contra o efeito dos remédios sintéticos

Listamos abaixo 5 plantas indicadas para se preparar um poderoso chá para diabetes, suas características medicinais e seus modos de preparos.

5 chás e sucos poderosos para o diabetes

Agora que você já sabe que pode contar com alguns chás e extratos naturais no tratamento do diabetes, quero te explicar com mais profundidade o que cada uma destas plantas faz dentro do seu organismo.

Graviola: a fruta que diminui a glicemia, protege o fígado e auxilia o trabalho do pâncreas

uma graviola inteira e outra metade em um cesto de palha e suco de graviola que ajuda a controlar a glicemia naturalmente

Suco de graviola é uma ótima opção para quem é diabético e deseja controlar a glicemia naturalmente

A graviola, cujo nome científico é Annona muricata, você já deve conhecer.

Ela tem a casca verde espinhosa, polpa branca e grandes sementes pretas, e o seu sabor agridoce é propício para o preparo de sorvetes e geleias.

Do ponto de vista medicinal, tanto o seu fruto quanto suas folhas, sementes e até tronco, são usados para o combate ao diabetes.

Em um estudo realizado na Nigéria, ratos diabéticos foram injetados com extrato de graviola por duas semanas. Aqueles que receberam o extrato tiveram níveis de açúcar no sangue cinco vezes menores do que o grupo não tratado.

Outro estudo, realizado em Camarões, mostrou que a administração de extrato de Graviola em ratos diabéticos reduziu os níveis de açúcar no sangue em até 75%.

As folhas da graviola ainda têm outras funções benéficas para os diabéticos, como a ação protetora do fígado. Pois a graviola tem o poder de frear e tratar as lesões que o diabetes pode provocar no órgão.

Além disso, um estudo realizado pela Universidade Federal da Bahia, demonstrou que o óleo extraído das sementes de graviola protegeu as células que produzem a insulina naturalmente.

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas e tem como função transportar o açúcar para dentro das células para gerar energia. Ela é a chave que abre a fechadura das células, aliviando a quantidade de açúcar na corrente sanguínea.

Portanto, a graviola tem esse poder de controlar a glicemia naturalmente e ainda melhora a sensibilidade insulínica do organismo humano.

Modo de consumo da graviola

Para preparar seu chá para diabetes com graviola você vai precisar de uma colher de sobremesa de folhas picadas para cada xícara de água.

Atenção: o uso da graviola não é recomendado para pacientes com Parkinson. Isso porque, em caso de uso prolongado da planta, pode haver perda de serotonina e dopamina, substâncias carentes em pessoas nessas condições.

No entanto, a fruta é segura para a maioria das pessoas, desde que sejam respeitadas as quantidades in

Melão-de-São-Caetano: a fruta que diminui o nível de glicose do sangue derruba a glicose em 48%

Foto de um Melão de são caetano cortado em rodelas em uma mesa

Melão-de-São-Caetano é uma das alternativas naturais de chá para diabetes

Agora que você conheceu a graviola, vamos para a segunda planta perfeita para se fazer um chá para diabetes: o melão-de-são-caetano.

Nativo da Ásia e bastante consumido pela cultura japonesa, a fruta ainda pode levar o nome de bitter melon ou melão amargo.

A fruta que nasce no Brasil costuma ser pequena, de 3 a 10 cm, com a casca amarela, gomos vermelhos e sabor mais adocicado. 

Já o nativo da Ásia se parece mais com um pepino: é comprido, com a casca verde rugosa, polpa branca e sabor amargo.

Os dois, no entanto, têm as mesmas propriedades medicinais: são capazes de derrubar os índices de açúcar no sangue.

Existem mais de 200 trabalhos que relatam a ação do melão-de-são-caetano sobre o controle da glicemia. Um destes estudos, realizado na Índia, mostrou que o fruto reduziu a glicemia em até 48% em jejum. Além disso, provou que o melão não apresenta toxicidade, portanto, pode ser consumido como alimento com segurança.

Na Universidade de Colombo no Sri Lanka, uma outra pesquisa chegou a um resultado impressionante: o suco dessa fruta diminuiu o nível de glicose em 73% dos diabéticos da terceira idade que participaram do estudo.

Assim como a graviola, o melão-de-são-caetano também estimula as células pancreáticas, responsáveis pela produção da insulina. Por isso, é também uma planta milagrosa que age na causa raiz do diabetes.

Modo de consumo do melão-São-Caetano

Para tratamento do diabetes, é possível consumir o melão-São-Caetano como chá e suco.

No chá para diabetes, utilize uma colher de sobremesa de folhas picadas para cada xícara de água.

Para o suco, utilize dois melões pequenos ou a metade de um grande e bata com água.

Beba uma vez ao dia, de preferência pela manhã!

Carqueja: a planta que protege o fígado e derruba o açúcar do sangue

A planta característica por seu caule triangular age na proteção do fígado, da vesícula, fortalece a digestão e ainda tem função analgésica.

Os pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais testaram a planta em ratos diabéticos e constataram a queda da glicemia após 7 dias de tratamento.

A Carqueja cresce espontaneamente em muitos lugares do Brasil, é muito comum em terrenos, locais abandonados e barrancos.

Também pode ser encontrada facilmente em lojas naturais ou adquiridas pela internet.

Modo de consumo da carqueja

Para o chá de carqueja, utilize uma colher de sobremesa de folhas picadas para cada xícara de água.

Ao comprar as folhas, sempre fique atento à qualidade. Mesmo secas, opte por folhas com boa aparência e não estejam muito escuras.

Aloe Vera: controla os níveis de açúcar no sangue

Conhecida popularmente como babosa, a planta tem efeitos comprovados no tratamento de refluxo (eu falei sobre isso na nossa edição anterior, que você pode acessar clicando aqui), diabetes, infecções e até para o câncer.

Porém, ela apresenta toxicidade importante em doses moderadas e pelo uso prolongado e interno, claro.

Dentre os riscos, exagerar na dose, como tomar mais de um suco por dia, pode prejudicar o fígado ou trazer outros sintomas como diarreias, vômitos e cansaço excessivo.

Mas calma: com moderação e cuidado, você pode aproveitar os benefícios da Aloe vera para o diabetes tranquilamente.

Aloe Vera em pedaços

Com moderação e cuidado, é possível aproveitar todos os benefícios da Aloe vera

Agora, vamos entender por que a planta é tão interessante para o controle do açúcar no sangue.

Em diversos estudos, a Aloe vera é apontada como eficaz para controle da glicemia. Veja este exemplo de estudo realizado na Índia, que mostrou que o suco de babosa em pacientes diabéticos reduziu e controlou os níveis glicêmicos e os triglicerídeos.

Neste estudo foi usada uma colher de sobremesa de babosa (gel extraído direto da planta) duas vezes ao dia pelo prazo de duas semanas.

Já num estudo mexicano, mulheres com síndrome metabólica que tomaram o suco por quatro semanas tiveram o índice glicêmico controlado com muita eficiência.

Abaixo, compartilho algumas dicas adicionais para que você faça o uso correto dessa planta. Confira!

Modo de consumo da aloe vera

Passo 1: A aloe vera atinge o seu “ápice” por volta dos 3 ou 4 anos de idade. Digo ápice pois é nessa faixa etária que os compostos benéficos da planta atingem a sua maior concentração. Então, na hora de fazer uso da planta, analise sua idade; a aloe vera não deve ser nem muito nova, nem muito velha.

Passo 2: Estamos falando de uma planta que acumula não só muita água, mas também poluentes do meio externo. Então, o ideal é evitar espécies que são cultivadas em grandes cidades ou próximas a áreas de intenso tráfego.

Passo 3: Além dos passos anteriores, é preciso saber como preparar a aloe vera do jeito certo. Na casca da aloe vera tem uma substância chamada aloína, que é irritativa, podendo causar gastrite ou irritações na pele.

É preciso saber tirar essa parte, sem muita parcimônia, além de remover todos os espinhos laterais da planta. É justamente rente à casca que a aloína fica concentrada, por isso, você deve caprichar na hora de descascar a aloe vera, de modo que sobre só aquela “polpa” gelatinosa.

Se sobrar só um pouquinho de aloína e você fizer uso externo da planta, tudo bem.

Mas para fazer uso interno, o ideal é comprar o gel de aloe vera pronto ou se certificar de que toda a casca com a aloína foi removida, sem economizar.

No uso do gel em sucos, recomenda-se não ultrapassar os 20 ml diários, o que equivale a um pedaço pequeno da folha da babosa.

Cravo: a “insulina” natural

O cravo é um bom amigo para quem sofre com a doença, já que seus compostos ajudam a manter os níveis de açúcar no sangue sob controle.

Estudos feitos com camundongos diabéticos mostram que o extrato de cravo aumenta a captação do açúcar do sangue pelas células. Ele também eleva a secreção de insulina e age para melhorar o funcionamento das células que produzem a substância.

A insulina, como você já sabe, é um hormônio responsável por esse transporte do açúcar do sangue para as células.

Seu bom funcionamento é essencial para manter níveis equilibrados de açúcar no sangue. Como o cravo ajuda nesse sentido, ele é um ótimo aliado!

Modo de consumo do cravo

Recomendação: Ferva quatro ou cinco cravos inteiros junto com um litro de água por 10 a 15 minutos, coe e beba quente ou gelado, até 3 vezes ao dia.

Espero que você tenha aproveitado este conteúdo e que esteja convencido que há sim um outro caminho para tratar o diabetes de forma natural.

Uma dessas ótimas maneiras é consumir chá para diabetes e não sofrer com os efeitos colaterais dos medicamentos.

Aproveite as plantas medicinais.

Comente e compartilhe a sua experiência com as plantas medicinais.

[Vídeo] Quais plantas são melhores que remédios?

Você já ouviu falar no suco refrescante que pode aliviar o refluxo? E no chá que tem poderosos efeitos anti-hipertensivos? Em vídeo inédito, a nutricionista Lara Gabriela Cerqueira, professora especializada em fitoterapia, revela tudo sobre o mundo das plantas medicinais.

Clique aqui e assista agora.
Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Médico Cirurgião e Especialista em Nutrologia

CRM: 38531-SP

23 fevereiro 2021

Com mais de 20 anos de experiência. Uma das maiores autoridades em Saúde Natural, palestrante de congressos nacionais e internacionais, faz pesquisas na área e ainda tem ligação direta com uma parte importante da História da Alimentação.

Conteúdos Relacionados