Atriz de Hollywood revela dieta que a salvou do diabetes

Maior Menor
Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Médico Cirurgião e Especialista em Nutrologia

CRM: 38531-SP

25 junho 2021

Com mais de 20 anos de experiência. Uma das maiores autoridades em Saúde Natural, palestrante de congressos nacionais e internacionais, faz pesquisas na área e ainda tem ligação direta com uma parte importante da História da Alimentação.

Halle Berry, conhecida por filmes como “A última ceia”, “A Mulher-Gato” e “Na companhia do medo”, mudou a alimentação e conseguiu colocar um ponto final em sua luta contra o diabetes

Olá!

Se você acompanha os textos e pensamentos que compartilho semanalmente nessa coluna, sabe que não sou adepto de dietas milagrosas e passageiras.

Para mim, emagrecimento é consequência de efetivamente cuidar da saúde.

Por isso, hoje resolvi abrir uma exceção para te contar sobre a dieta de uma atriz hollywoodiana que deu o que falar na última semana.

Há quase 30 anos, a atriz Halle Berry (conhecida por filmes como “A última ceia”, “A Mulher-Gato” e “Na companhia do medo”) colocou um ponto final em sua luta contra o diabetes.

Ela tinha 22 anos quando recebeu o diagnóstico da doença. 

Naquele momento, ela entendeu que a melhor forma de controlar a glicemia seria investir em uma mudança real do estilo de vida, começando pela alimentação.

Foi quando ela descobriu a dieta cetogênica, estratégia alimentar que a salvou do diabetes há mais de 30 anos.

Para te ajudar, traduzi a postagem dela abaixo:

 

Halle Berry contou para seus seguidores, no Instagram, que a cetogênica fez maravilhas pela sua saúde. Alguns exemplos:

  • Ajudou no controle do diabetes;
  • Estimulou a perda de peso após o nascimento de seus filhos;
  • Reduziu a compulsão alimentar — principalmente por doces;
  • Aumentou energia e disposição para exercícios físicos;
  • Retardou o envelhecimento precoce (ela tem 54 anos hoje, dá para acreditar?);
  • Diminuiu crises de enxaqueca;
  • Melhorou o desempenho cognitivo.

Tudo o que a atriz relatou a respeito da cetogênica é verdadeiro.

É por isso que, para mim, não se trata de uma dieta; é a alimentação que devemos seguir todos os dias.

E não tem nada de sem graça nessa estratégia alimentar, pelo contrário. É uma alimentação saborosa, gordurosa e altamente gourmetizada.

Não precisa acreditar em mim ou na atriz de Hollywood. Você pode fazer o teste em você mesmo e observar a glicemia despencar, a dor de cabeça passar, a compulsão alimentar diminuir… Assim como o peso na balança!

Se você está pronto para encarar esse desafio, te convido a anotar todas as dicas abaixo para começar a cetogênica o quanto antes.

Não precisa esperar a segunda-feira chegar. Faça tudo hoje mesmo!

Um suplemento natural para controlar os seus níveis de glicemia? Descubra o Gli Sense, o novo lançamento do Vitaminas.vc

4 passos para começar a cetogênica

Nas lives e em meus plantões de dúvidas do Protocolo Contra o Diabetes, muitos repetem a mesma pergunta: Doutor, como eu devo fazer a cetogênica? 

Sem uma organização prévia, fica realmente difícil, eu sei. Por isso, preparei algumas dicas que você pode seguir, por conta própria ou com a ajuda da sua família. Vamos lá?

PASSO 1

Faça uma faxina na sua despensa, geladeira e freezer. A ideia é que você não tenha ao alcance das mãos e da boca alimentos que estão proibidos na cetogênica, para não cair em tentação. 

São eles: industrializados e ultraprocessados, pães, massas, açúcar, sucos (naturais ou prontos), bolachas, sobremesas, congelados, leite e derivados, molhos prontos e por aí vai.

Se precisa desembalar, provavelmente não é saudável e não entra na cetogênica.

Conheça o café que aumenta a memória. Basta adicionar um ingrediente e seu cafézinho diário vai lhe proteger da perda de memória e até do Alzheimer


PASSO 2

Não se esqueça de limpar muito bem os armários e a geladeira onde os alimentos estavam armazenados. 

O glúten tem alto poder de contaminação, assim como o cigarro, e pode permanecer no ambiente mesmo depois de você descartar o alimento de origem (pão, macarrão, tortilha e produtos do gênero).

Se você quer se prevenir de todos os malefícios do glúten (as doenças autoimunes pioram muito com o glúten, saiba disso), não abra mão dessa descontaminação da sua casa.

PASSO 3

É hora de ir às compras. Você pode pedir uma lista ao seu médico ou nutricionista dos alimentos permitidos, ou anotar algumas das minhas sugestões.

Esse é um exemplo de lista de compras que eu mesmo realizo regularmente.

  • Carnes de todos os tipos;
  • Hortaliças verde-escuras;
  • Legumes de baixo índice glicêmico, como: chuchu, abobrinha, vagem, aspargos, brócolis, couve-flor, palmito, berinjela, quiabo, nabo, couve-de-bruxelas…
  • Açaí (in natura, sem xarope de açúcar), abacate e coco frescos;
  • Cogumelos shimeji e shitake;
  • Óleo de coco ou banha de porco;
  • Oleaginosas;
  • Azeite de oliva extravirgem; 
  • Chocolate 80% cacau ou mais.

Óleo de coco ou banha de porco são essenciais para o preparo dos alimentos, ou seja, para grelhar uma carne, refogar ou empanar um legume e por aí vai.

O azeite só se come à mesa, na finalização de um prato ou de uma salada, e nunca deve ser utilizado para cozinhar, combinado?

PASSO 4

Despensa organizada, compras feitas. É hora de definir O QUE comer e QUANDO comer.

Para isso, prepare um cardápio semanal, com uma carne diferente para cada dia da semana, com os devidos acompanhamentos. Te ajudo com isso também.

  • Segunda-feira: carne de vaca;
  • Terça-feira: carne de porco;
  • Quarta-feira: carne de frango;
  • Quinta-feira: miúdos;
  • Sexta-feira: peixe;
  • Sábado: frutos do mar;
  • Domingo: carnes exóticas.

Essa é a minha organização semanal de carnes, a sua pode ser diferente. O importante é que você consuma carnes e gorduras de boa qualidade todos os dias, variando sempre que possível.

De acompanhamento, você pode preparar os legumes que indiquei no passo anterior, sempre acompanhados de uma gordura: eles podem ser refogados, finalizados com azeite, empanados com farinha de amêndoas (ou outra oleaginosa de sua preferência) e até assados.

E nunca, em hipótese alguma, utilize papel toalha para absorver a gordura dos alimentos. 

Deu água na boca? Por aqui, confesso que deu. A cetogênica está longe de ser uma alimentação sem graça e insossa.

Com as receitas certas, então, cozinhar vira até um hobby. No meu Protocolo Contra o Diabetes, eu disponibilizo uma série de receitas saborosas e cetogênicas para quem deseja ir além do convencional.

É tudo muito, muito fácil de preparar. Ou seja, você não tem desculpa para não entrar nesse desafio.

É alta gastronomia, capaz de te ajudar com muito mais do que uma simples redução de medidas.

Depois, conte para nós como a sua saúde foi favorecida pela cetogênica.

Um abraço,

Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Dr. Naif Thadeu

Médico Cirurgião e Especialista em Nutrologia

CRM: 38531-SP

25 junho 2021

Com mais de 20 anos de experiência. Uma das maiores autoridades em Saúde Natural, palestrante de congressos nacionais e internacionais, faz pesquisas na área e ainda tem ligação direta com uma parte importante da História da Alimentação.

Conteúdos Relacionados