Como as atividades aquáticas deram um novo rumo para a vida de duas mulheres

Maior Menor

Venho te contar, a história de 2 mulheres que se deram muito bem no mesmo ambiente em que Michael Phelps consagrou-se o maior atleta olímpico da história. Se o norte-americano, nas Olimpíadas, fez da água sua ferramenta de trabalho, sucesso e glória, Marisa Provetti, 58 anos, e Ana Cristina Montes Raya, 60 anos, encontraram nas piscinas um elemento bastante significativo para suas vidas.

Veja só, leitor, como a relação das pessoas com a água é interessante. Nós não somos “programados” fisiologicamente para vivermos submersos. Nem mesmo o Michael Phelps é, por incrível que pareça.

Eu conversei com Cláudia Palacios, educadora física que atua como personal swin (uma espécie de professor particular de natação), e ela me disse que, de certa forma, o contato com a água remete ao comecinho da vida, quando ainda estávamos no útero de nossas devidas mães. “O ser humano é gestado no meio líquido, e isto faz com que o contato com a água acabe sendo algo natural e relaxante para o bebê. E isso é levado para a vida. A prática de atividade física dentro da água é confortável para crianças e adultos”, fala.

Aqui na Jolivi sempre insistimos na questão de prática de atividades físicas, que liberam substâncias relacionadas ao prazer e bem-estar. Tal conduta, inclusive, faz parte dos 21 módulos que desenvolvemos para vencer definitivamente o estresse. Então, quando falamos da natação, e da hidroginástica também, podemos colocar nesta equação mais um ingrediente positivo: o entusiasmo de estar debaixo d’água.

Vida real

Falando em entusiasmo, talvez, esta seja a palavra que melhor defina o vínculo entre Marisa e a natação. Há um ano, depois de ter parado de trabalhar, ela decidiu que precisava fazer algo por si mesma.  A ideia de frequentar academia e fazer os tradicionais exercícios de musculação e aulas aeróbicas estava fora de cogitação. Então, Marisa escolheu a hidroginástica.

shutterstock_523422493

“Eu via as pessoas nadando e aquilo foi me empolgando. Eu quis aprender tudo, desde o início para acertar as falhas que eu tinha. No começo, achei que seria muito difícil. Mas, já na 3ª aula, vi que gostei e me empolguei ainda mais com aquilo”.

Hoje, Marisa nada mais de 1.400 metros, 3 vezes por semana. “É simplesmente um esporte que relaxa. Você fica em contato com você mesmo. Deixa na piscina o estresse e a ansiedade. Tenho inúmeros pensamentos positivos e estou muito feliz comigo mesma. Estou me realizando com isso”, conta.

Indicação do neuro

Quando Ana Cristina começou a praticar hidroginástica, em 2003, Michael Phelps, aos 18 anos, tinha quebrado 4 recordes mundiais em um mesmo campeonato. A indicação para a atividade foi do médico neurologista, depois da realização de uma cirurgia de hérnia lombar.

“Por ser uma atividade sem impacto, é bastante indicada para quem tem problemas de coluna e joelho, que adquiri mais recentemente. É também uma atividade um pouco aeróbica e bastante revigorante física e mentalmente”. A Ana Cristina está certíssima, leitor.

Claudia Angulo, a personal swin, me disse que algumas pessoas não podem mesmo fazer exercícios de impacto – como a musculação, aulas de step e jum, por exemplo. “Assim, a natação acaba sendo uma excelente opção. Pessoas que estão em reabilitação após alguma cirurgia, por exemplo, podem ter na natação uma ótima forma de reiniciar uma atividade física”.

Além das águas

A natação (e o Pilates) foi uma grande aliada de Ana Cristina ao fim de um tratamento contra um câncer de mama também. “Voltei com as minhas atividades após 2 meses da cirurgia. Os movimentos do braço esquerdo estavam limitados, mas, aos poucos, voltaram quase ao normal, o normal possível agora. Retornar ao convívio social, ao trabalho e às atividades físicas foi extremamente importante para a reabilitação física e mental”.

Esbanjando saúde e disposição, Ana Cristina acredita que bom humor é fundamental na vida. “Além das atividades físicas procuro cuidar da alimentação, sem frituras, gorduras ou produtos muito industrializados. Gosto de atividades culturais como cinema, exposições, passeios, conhecer lugares diferentes. Costumo praticar também muito a positividade”.

Conselhos bastante válidos, não é, leitor?

shutterstock_498299053-1

Continue a nadar

Os benefícios a curto prazo da natação, de acordo com Claudia Angulo, são a melhora no condicionamento físico, na capacidade de raciocínio, no humor, aumento da autoestima e diminuição do estresse, como a Marisa já nos tinha contado.

Com o tempo, a resistência física aumenta, assim como a capacidade circulatória e respiratória. “A natação previne doenças degenerativas, melhora a coordenação motora e diminui os sintomas de depressão e ansiedade”, completa a especialista.

A hidroginástica é uma atividade mais aeróbica, portanto, caso você decida por praticá-la, vai notar também aumento de sua capacidade aeróbica, do tônus e resistência muscular. Leitor, é importante salientar, neste momento, que a hidroginástica não é uma “atividade de mulher” ou destinada às gestantes.

A Claudia me disse que ela pode ser ela pode ser elaborada e realizada de várias formas, visando diferentes tipos de objetivos e pode alcançar todo o tipo de público, inclusive homens e crianças. “Hoje em dia, já não se pensa em água somente para natação e hidroginástica. Há locais onde as piscinas estão aparelhadas com esteiras e bicicletas. Muitas atividades como ioga e pilates também podem ser realizadas na piscina assim como diversas danças”, aponta.

Outro ponto importante é entender que não existe idade para arriscar as primeiras braçadas. “A maior barreira acaba sendo o medo e o preconceito” revela.

Não largo por nada

Todos os benefícios citados vêm sendo sentidos e aproveitados por Marisa Provetti. “Meus pés não incharam mais, mesmo no verão. Além disso, o cardiologista retirou o medicamento para controle da pressão arterial, que eu já tomava há mais de 10 anos”, conta.

Além disso, Marisa conta que tem hérnias de disco e uma na cervical. “Tenho conseguido acertar os desconfortos que quem tem hérnia sabe como é. As dores nas costas passaram e isso tem me ajudado. E também tenho dormido muito melhor. Não largo a natação por nada”.

Pois é, leitor, fica aqui, então, mais essa sugestão para que você saia do sedentarismo. Gosto muito de uma música da Marisa Monte, chamada Levante. Um dos versos é: “Mas, pra sacudir, levante”.

O que quero dizer é que o primeiro passo precisa ser dado. Reflita bastante, encontre a atividade que mais te completa e siga em frente. E se você quiser ajuda de um “personal saúde”, conheça o nosso Dossiê Saúde e Nutrição. Para os assinantes, o Dr. Leonardo atua como coach, fazendo com que a teoria realmente chegue na prática.

E você ainda recebe uma série de benefícios. Clique no botão.

CONHEÇA DOSSIÊ SAÚDE ESSENCIAL

As histórias de superação acontecem também fora das Olimpíadas. E uma delas pode ser sua.

 

 

Insira seu e-mail e receba nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural: