A jabuticaba é um dos superalimentos das terras canarinhas

Maior Menor

Já está com saudades das Olimpíadas? Por aqui, eu estou. E vou aproveitar o sentimento ainda um pouco vivo para falar das “Olimpíadas da Nutrição”. Se os alimentos estivessem no Rio competindo entre si para avaliar quais oferecem um maior potencial de nutrientes, teríamos uma fruta favoritíssima do nosso lado.

Na modalidade dos antioxidantes, fica difícil concorrer com a jabuticaba, fruta nativa brasileira encontrada predominantemente na Mata Atlântica. E qual a vantagem de ser um campeão dos antioxidantes?

Muitas (e uma delas é bem importante para o processo de envelhecimento que, ao contrário do que pregam por aí, pode ser uma etapa bem saudável – leia aqui a verdade sobre envelhecer).

Primeiramente, vamos responder a uma pergunta:

O que são os antioxidantes?

Bom, os antioxidantes são moléculas capazes de retardar ou impedir o dano oxidativo dentro do organismo. E isso é importante porque a oxidação não controlada pode levar à disfunção das células e ao aparecimento de problemas como doenças cardíacas, diabetes e, em especial, o temido câncer.

E, como o próprio nome sugere, para combater este processo é preciso investir em alimentos que ajudam o corpo a não oxidar. Frutas, legumes e verduras são antioxidantes naturais. Mas mesmo entre eles, alguns alimentos se destacam por serem extremamente eficientes nesta função.

Tomei um café com o mestre em nutrição, Henrique Freire Soares e consegui entender melhor este processo. Henrique, que é coordenador da pós-graduação em nutrição funcional da VP Consultoria, me explicou que os antioxidantes ajudam a manter o equilíbrio energético da célula. E depois que eu aprendi o que são estes conceitos, nunca mais olhei a jabuticaba da mesma forma. Te apresento agora esta menina dos olhos da nutrição.

A temida multiplicação

Você com certeza já ouviu falar de alguns antioxidantes. A verdade é que quando você vê por aí as “receitas contra o câncer” e os “alimentos mais poderosos para vencer as doenças”, pode apostar: o cardápio sempre é definido de acordo com o potencial antioxidante dos alimentos selecionados.

Vitamina C, vitamina E, o zinco e o selênio, provavelmente, são os mais famosos entre eles. São os chamados nutrientes antioxidantes.

Também podemos citar uma outra categoria de antioxidantes, conhecidos como “compostos bioativos”, em que se encontram substâncias como a curcumina, do açafrão, e o resveratrol, presente na casca da uva. A diferença entre as duas classes é que os compostos (como curcumina, resveratrol, licopeno, betacaroteno e muitos outros) não são “essenciais” para o organismo humano – é possível viver sem eles – mas protegem as células e melhoram seu funcionamento.

jabuticaba

O Henrique me ajudou a entender porque estes agentes são tão importantes na prevenção e reversão das doenças. Segundo ele, no processo natural do envelhecimento, as células podem começar a se multiplicar em uma velocidade muito alta e de forma desordenada. Isso ocorre porque os elétrons celulares estão em desequilíbrio, gerando instabilidade e provocando uma reação exacerbada por parte das células.

Uma das formas de reação é a multiplicação, seguida por uma oxidação. É este processo que pode resultar em tumores. E justamente é este mesmo processo que poderia ser evitado com uma ingestão constante e equilibrada de antioxidantes.

(E ainda assim, uma parte dos médicos acredita que “alimentos” não podem fazer parte do receituário. Um problema grave na formação destes profissionais, como mostra estes 5 segredos da medicina).

Ordem na bagunça

Sabendo desta atuação de “ordem na bagunça”, comparo os antioxidantes a um bedel. Lembra dos tempos da escola quando tinha aquela pessoa responsável por garantir a ordem e controlar os alunos? Pois então.

Os antioxidantes precisam fazer parte do seu dia a dia, antes mesmo que a situação chegue em descontrole. E caso o caos (entenda aqui doença) já esteja instalado, é extremamente importante que o consumo dos alimentos com esta propriedade seja reforçado.

A campeã dos antioxidantes

As pesquisas mostram que o grupo de alimentos com maior teor de antioxidantes com ação preventiva de câncer são as frutas silvestres. São as famosas berries vermelhas e roxas, que costumamos ver por aí com nomes em inglês, como a blueberry, cranberry e o goji berry. 

Dentre as representantes das terras canarinhas, destacam-se o açaí, o jamelão, o jambo, e a nossa estrela dessas Olimpíadas fictícias da Jolivi, a jabuticaba.

O que caracteriza a jabuticaba como um excelente antioxidante são, principalmente, os compostos bioativos chamados de antocianinas, pigmentos capazes de captar os radicais livres (as sujeiras que vão oxidar) presentes no organismo humano. Além disso, sua polpa é rica em vitamina C, potássio e vitamina B1, importantes micronutrientes que participam do metabolismo energético do organismo e da manutenção do sistema nervoso.

Além de tudo, são muito saborosas. Difícil achar alguém que não goste.

Com uma casca preta arroxeada e uma deliciosa polpa, a jabuticaba é uma fruta nativa encontrada predominantemente na Mata Atlântica, na região centro sul do Brasil. No exterior, ela também é conhecida como a “uva brasileira”, em razão de sua textura e da aparência similar às uvas.

Aqui no Brasil, a jabuticaba é uma opção mais barata e tão saudável quanto a tão comentada goji berry (O queridinho da Nivia, como ela te contou aqui).

E a melhor notícia: estamos na época!

Exagero perigoso

Ó… preciso que você preste atenção agora. Saber que o antioxidante é essencial não te dá carta branca para o exagero.

“Não adianta passar na farmácia e sair comprando vitamina C, vitamina E, e zinco e selênio em cápsulas, tomando altas doses. Porque aquilo que é antioxidante pode se tornar pro-oxidante no seu organismo, e em vez de prevenir, pode acabar induzindo o câncer”, alertou Henrique.

Segundo ele, uma dieta rica em antioxidantes fornece naturalmente tudo o que você necessita em perfeito equilíbrio e nas quantidades adequadas para as nossas células. E se você for considerar ampliar o consumo de jabuticaba, preciso que saiba:

O segredo está na casca

Henrique Soares me contou, que para beneficiar de suas propriedades antioxidantes, o que importa mesmo é a casca da jabuticaba. Justamente aquilo que a maioria das pessoas está acostumada a jogar fora. Só que o seu gosto amargo não é dos mais agradáveis, então nem todo mundo vai encarar essa opção.

Para estes casos, o Henrique sugere algumas opções. E, com elas, eu me despeço hoje de você. Só lembrando que este tipo de informação pode fazer a diferença na vida das pessoas. Então, convide seus amigos para fazer parte da Jolivi.

E se quiser receber conteúdos mais aprofundados e com um acompanhamento mais próximo dos nossos médicos consultores, conheça as vantagens de assinar o nosso Dossiê Saúde e Nutrição aqui.

QUERO CONHECER O DOSSIÊ

jabuticaba

DICAS DO NUTRICIONISTA

1) Suco de respeito

O suco pode ser uma excelente maneira de aproveitar a fruta inteira. A recomendação do Henrique é bater a jabuticaba com casca e tudo e bater bastante. “E melhor nem coar, assim é possível extrair o máximo dos seus componentes”, explica.

2) Chá

Há a possibilidade de fazer um chá. Você pode comer a polpa da jabuticaba e guardar as cascas. Então, pegue um punhado de cascas da fruta, coloque para ferver na água por 5 minutos, coe e pronto, seu chá está pronto!

“Tem estudos mostrando que esses compostos antioxidantes da casca são mantidos mesmo quando mantido sob calor intenso”, diz o nutricionista.

A mesma coisa serve para a casca de laranja, por exemplo, que também apresenta diversas propriedades antioxidantes. A melhor notícia é que a carreira da jabuticaba está longe de acabar. Muitas Olimpíadas virão pela frente e muitas medalhas estão garantidas. E não se esqueça da casca.

Insira seu e-mail e receba nossos conteúdos gratuitos sobre saúde natural: